Paraná poderá produzir 42 milhões de toneladas de grãos

A safra de grãos 2020/2021 do Paraná poderá somar 42 milhões de toneladas, volume 3% superior ao do ciclo passado. A área total, de 10,2 milhões de hectares, é 2% maior. As informações são do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

 

O relatório mensal, divulgado nesta quinta-feira (25), inclui a primeira estimativa da safra de inverno, cuja produção deve ser de 4,5 milhões de toneladas em 1,4 milhão de hectares. Do total, 3,8 milhões de toneladas correspondem à cultura do trigo, volume 21% maior do que na safra passada.

 

Entre os dados divulgados neste mês, também destacam-se a evolução da colheita da soja (75%) e do milho da primeira safra (74%), culturas impactadas pela seca no início da safra e, posteriormente, pelo excesso de chuvas.

 

 

“Apesar das dificuldades devido aos fatores climáticos, os produtores de soja estão bem remunerados”, diz o chefe do Deral, Salatiel Turra. O atraso no início do plantio do milho chegou a preocupar os produtores quanto ao abastecimento, e também o setor de proteína animal, pois o grão é o principal insumo dessa cadeia. 

 

SOJA – A colheita de soja no Paraná avançou significativamente neste mês de março e atingiu 75% da área, mas ainda está atrasada comparativamente às safras anteriores, causando atraso no plantio do milho. A cultura sofreu impacto da estiagem no início do plantio e, mais tarde, das chuvas excessivas. No mesmo período do ano passado, o estado tinha 85% da área de soja colhida.

 

Com a reavaliação realizada pelos técnicos do Deral, estima-se a produção de 20,1 milhões de toneladas. No último mês, foram feitos ajustes principalmente nos números da região Oeste. A perspectiva, no início do ciclo, era de cerca de 20,6 milhões de toneladas. “De modo geral, esta safra ainda é considerada boa. O volume está dentro da média esperada para o Paraná, sendo 3% inferior ao produzido na safra 19/20”, explica o economista do Deral, Marcelo Garrido. 

 

O preço da saca de 60 kg ficou próximo de R$ 153 nesta semana. No mesmo período do ano passado, os produtores recebiam, em média, R$ 70 pelo produto. A ocorrência de doenças em algumas lavouras e o reajuste no preço dos insumos, com a alta do dólar, geraram aumento nos custos de produção. Por outro lado, o câmbio favoreceu as exportações. Já o índice de comercialização segue um padrão semelhante ao da safra 2019/20, de 53% neste período.

 

Nos próximos dias, o clima deve ser benéfico para o andamento da colheita. A produtividade teve uma pequena redução em relação ao ano passado, de 3.700 kg/hectare para 3.600 kg/hectare. Quanto à qualidade, 82% das lavouras estão em boas condições, 17% médias e 1% ruim. Para a segunda safra, o Deral estima a produção de 108 mil toneladas de soja em 38 mil hectares, concentrados principalmente no Oeste do Estado. A colheita da segunda safra deve iniciar em abril.

 

MILHO PRIMEIRA SAFRA – A colheita do milho da primeira safra evoluiu para 74% da área de 363 mil hectares nesta semana. Espera-se a produção de 3 milhões de toneladas, volume 14% inferior ao do ciclo 19/2020. “Essa redução segue uma tendência dos outros estados do Sul e do País como um todo. O Brasil soma um volume de 23 milhões de toneladas”, explica o técnico Edmar Gervásio. 

 

MILHO SEGUNDA SAFRA – O plantio da segunda safra atingiu 88% e 94% das lavouras estão em boas condições. O volume produzido deve ser de 13,4 milhões de toneladas, 12% maior do que o do ciclo 19/20. A estimativa para a área é de 2,4 milhões de hectares, um recorde para o Estado, com crescimento de 3% em relação à safra anterior.

 

Apenas no último mês, a área plantada teve um ajuste positivo de aproximadamente 12 mil hectares. Os preços estão satisfatórios para os produtores. A saca de 60 kg foi comercializada por R$ 78,68 nesta semana, em média. “A tendência é de que os preços continuem elevados ao longo do ano”, diz Gervásio. (Com AEN). 

Hashtag:
Uniformes antichamas trazem mais segurança aos profissionais do Consamu

Desde a ultima quarta dia 24, os operadores de suporte médico da base de Cascavel, Unidade Aérea Pública da Secretaria de Saúde do Estado, iniciaram o serviço utilizando os novos macacões de voo antichamas, adquiridos pelo CONSAMU (Consórcio de Saúde dos Municípios do Oeste do Paraná) com a empresa ERIX, especializada em uniformes profissionais.
 
 
“Além de cumprir todas as normas técnicas estabelecidas, quanto mais segurança oferecemos aos nossos profissionais, mais tranquilidade eles têm para executar todo trabalho e procedimentos necessários para salvar vidas que é sempre o maior objetivo de todas as ações e investimentos do CONSAMU ”, disse o diretor geral do CONSAMU- Sr. José Peixoto da Silva Neto, que acompanhou o início das atividades com o novo uniforme, junto com coordenador de Enfermagem, Sr. Eder Fernandes de Oliveira, sendo observadas todas as medidas de segurança contra a Covid-19, como uso de máscaras e higienização constante.
 
 
Seguindo o padrão de cor adotado pelo Samu, nos mesmos moldes da Base Aérea de Maringá, o equipamento de proteção individual é fabricado na cor azul marinho escuro com tecido de aramida e meta-aramida, trazendo mais segurança à tripulação.
 
 
A Unidade Aérea Pública da SESA Paraná pretende a padronização do macacão de voo antichama para todas as tripulações de voo do Samu 192.
Foram investidos R$ 43.180,00 na compra de 20 uniformes que serão utilizados por todos os médicos e enfermeiros que participam das operações da unidade aérea. Os equipamentos são obrigatórios em muitos serviços e também são utilizados por tripulações aeromédicas, militares, policiais e bombeiros em todo o mundo. (Com Assessoria Consamu). 
Hashtag:
Paraná recebe mais 227,4 mil doses de vacina contra Covid-19 nesta sexta-feira

O Paraná recebe nesta sexta-feira (26) a décima remessa de vacinas contra a Covid-19. O lote desembarca no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 9h35 e segue para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), onde será organizado para distribuição às Regionais da Saúde, ainda sem previsão de horário. Nesta remessa, são 188.800 doses da Coronavac, produzidas pelo Instituto Butantan/Sinovac, e 38.600 da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford/Astrazeneca, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

 

Com a nova leva, o Estado totaliza 1.727.850 doses recebidas: 1.494.000 da Coronavac e 233.850 da Oxford/Astrazeneca. Até a tarde desta quinta-feira (25), segundo o Vacinômetro, haviam sido aplicadas 704.788 primeiras doses e 205.268 doses de reforço – o que representa 64,5% e 74,9% do total distribuído, respectivamente. Atualmente, o foco da vacinação está em pessoas acima de 70 anos, profissionais da saúde e quilombolas.

 

“Queremos que as vacinas cheguem nos braços dos paranaenses para aumentar a imunização no Estado todo”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “Com as novas remessas, estamos descendo para base da pirâmide populacional e precisamos usar toda a nossa capacidade de vacinação para acelerar esse processo. O Ministério da Saúde nos garante que agora teremos um fluxo melhor de vacinas, e eu reitero a necessidade de que esse fluxo seja cumprido”, enfatizou o secretário.

 

LOTES ANTERIORES – O nono lote recebido pelo Paraná, com 240.450 doses, foi distribuído já nesta semana. Ele chegou a Curitiba no último sábado (20) e foi distribuído na segunda-feira (22) a todo o Estado juntamente de outras 129,2 mil doses do oitavo lote.

 

A expectativa do Paraná é vacinar todos os 21 grupos prioritários do Plano Estadual de Vacinação até maio, totalizando 4.635.123 pessoas. Até o momento, já foram imunizados com a 1ª dose da vacina 88,25% dos profissionais de saúde; 92,35% dos idosos institucionalizados; 87,04% da população indígena; 64,19% das pessoas acima de 90 anos; 92,22% das pessoas entre 80 e 89 anos; 74,1% das pessoas entre 75 e 79 anos e 12,23% da faixa etária entre 70 e 74 anos. (Com AEN)

 

 

 

Cascavel será o hub logístico da Nova Ferroeste

Principal produtor de soja do Paraná, Cascavel, na Região Oeste, será o hub logístico da Nova Ferroeste. A previsão, de acordo com os estudos preliminares de traçado e demanda, é que pelo terminal de transbordo já instalado na cidade passem mais de 8 milhões de toneladas de grãos por ano.

 

A estimativa integra o documento técnico sobre o modal apresentado nesta quinta-feira (25) para parte do setor produtivo do município, em reunião na sede da Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic). A ferrovia que vai ligar Maracaju (MS) ao Porto de Paranaguá terá 1.285 quilômetros de extensão.

 

“Até pela localização geográfica, Cascavel será o grande polo de atração de cargas do Paraná. Sem contar que o município já tem uma estrutura estabelecida com o terminal da Cotriguaçu, que movimenta cerca de 4 a 5 mil contêineres por mês”, destacou o coordenador do Grupo de Trabalho Ferroviário do Estado do Paraná, Luiz Henrique Fagundes. “Por tudo isso, Cascavel é sem dúvidas o hub logístico da Nova Ferroeste”.

 

O estudo preliminar avaliou a existência de cinco terminais ao longo da ferrovia. Além de Cascavel, aparecem na sequência pela ordem de movimentação, os pontos de Maracaju, marco zero do projeto, com possibilidade de transbordo de aproximadamente 6,5 milhões de toneladas/ano de grãos; Amambai (MS), com 4,5 milhões de toneladas/ano; Guaíra, com pouco mais de 4 milhões de toneladas/ano; e Foz do Iguaçu, com cerca de 2,5 milhões de toneladas/ano.

 

 

Diretor-presidente da Ferroeste e um dos coordenadores do projeto do novo eixo ferroviário, André Gonçalves explicou que ainda não há uma definição fechada dos locais de instalação dos terminais. Segundo ele, quem vai decidir o posicionamento geográfico é o ente privado que arrematar a concessão.

 

A expectativa é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo, até novembro de 2021. O consórcio que vencer a concorrência será também responsável pelas obras.

 

“O estudo preliminar apresenta algumas condições, uma análise de determinados locais. Mas no fim é o mercado que vai definir juntamente com a empresa que ganhar a concessão”, afirmou. “Porém, uma coisa é certa: Cascavel será protagonista”.

 

SETOR PRODUTIVO – Liderança que se baseia justamente nos clientes em potencial para o novo modal na cidade. O presidente da Acic, Michel Vitor Alves Lopes, destacou que os grupos empresariais de Cascavel estão confiantes de que a ferrovia, enfim, sairá do papel.

 

“O modal vai trazer mais competitividade, principalmente para os produtores rurais. Cascavel é o celeiro do País e também do mundo. Essa ferrovia vem solucionar um gargalo e dar muito mais garantia para os negócios", disse. “A apresentação nos deixou animados. Todos os filiados estão confiantes na concretização deste sonho histórico”.

 

Superintendente da Cotriguaçu no município, Gilson Luiz Anizelli reforçou o impacto da Nova Ferroeste na redução de custos para a produção. Diminuição que, segundo ele, chegará ao consumidor final na ponta, nas gôndolas dos supermercados. O estudo apresenta uma queda média de 27% no custo final quando as mercadorias foram transportadas por trens.

 

“É o momento de esperança, de que tudo isso se concretize o mais breve possível. Para o setor produtivo é, sem dúvidas, a melhor notícia dos últimos anos", disse.

 

Opinião reforçada pelo presidente da Coordenadoria das Associações Comerciais do Oeste do Paraná (Caciopar), Flávio Furlan. “Representamos 17 mil empresários, todos com o sentimento de que a ferrovia está, sim, acontecendo. A Região Oeste anseia por uma logística que nos permita ser competitivos", afirmou.

 

CONTRIGUAÇU – Dentro deste cenário, o armazém graneleiro da Cotriguaçu, em Cascavel, desempenha papel fundamental. É por lá que se estima passar os 8 milhões de toneladas/ano de grãos previstas para circular pelo município.

 

O terminal ferroviário tem atualmente capacidade de operação de 250 mil toneladas/ano. Quantidade que, de acordo com o gerente do terminal, Evertom Dutra Gresele, pode ser multiplicado por cinco com a Nova Ferroeste em funcionamento. “Passaremos do embarque de 300 vagões/dia para 600 vagões/dia. Sem contar a viabilidade de construir mais dois armazéns e uma segunda linha de expedição dentro do complexo", comentou.

 

A Cotriguaçu é administrada por quatro importantes cooperativas paranaenses: Lar, Copacol, Copavel e C.Vale.

 

FERROVIA – O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro. Apenas a malha paulista teria capacidade maior.

 

A área de influência indireta abrange 925 municípios de três países. São 773 do Brasil, 114 do Paraguai e 38 da Argentina. No Brasil, impacta diretamente 425 cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, totalizando cerca de 9 milhões de pessoas. A área representa 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

 

A expectativa, de acordo com os técnicos, é que pela Nova Ferroeste seja possível o transporte de 54 milhões de toneladas por ano – ou aproximadamente 2/3 da produção da região. 74% seriam de cargas destinadas para a exportação.

 

AVALIAÇÃO – O comitê formado por técnicos do Paraná e do Mato Grosso do Sul finalizou nesta quinta-feira (25), em Cascavel, a expedição por pontos sensíveis do traçado nos dois estados. Desde segunda-feira (22) na estrada, o grupo passou por Campo Grande, Dourados, Caarapó e Mundo Novo, todos municípios do Mato Grosso do Sul, e por Guaíra e Cascavel, já no Paraná.

 

A avaliação foi bastante positiva. “A viagem foi muito produtiva. Há um alinhamento dos dois governos e uma confiança no andamento dos resultados técnicos. A topografia favorece a Nova Ferroeste e as cooperativas apresentaram a necessidade de uma ferrovia deste porte para expandir os investimentos. Vamos avançar nos estudos”, arrematou Fagundes. (Com AEN)

 

 

 

MAC Paraná completa 51 anos e comemora com ampla programação

Neste mês de março, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná, um dos espaços culturais do Governo do Estado, completa 51 anos de existência. O museu chega a mais de meio século de história como centro de formação para artistas e críticos, como aliado no ensino das artes para professores e alunos e como espaço diverso, inclusivo e plural de acesso para o grande público.

 

Para os próximos meses, nas comemorações desse aniversário, o MAC Paraná programou diversos projetos e atividades, como o tradicional Salão Paranaense de Arte Contemporânea, a exposição da artista Dulce Osinski e ações online para discutir a arte indígena contemporânea no Estado, entre outros temas. Está sendo fechada, ainda, uma parceria com universidades do Paraná para o projeto de abrangência estadual Possíveis Conexões, no segundo semestre.

 

A programação fortalece os objetivos da atual gestão do museu, dirigido pela curadora e produtora Ana Rocha, de torná-lo cada vez mais inclusivo e diverso. “A ideia de um museu vivo, em constante processo de transformação, é, para mim, o que define um museu de arte contemporânea”, explica. “Ele nunca terá um escopo completamente definido e deve estar atento e em diálogo com as questões urgentes da sociedade.”

 

O MAC Paraná é gerido pela Secretaria da Comunicação Social e da Cultura via Superintendência Geral da Cultura. Para a superintendente geral da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, ao longo dos anos o museu tornou-se uma espécie de primeira casa para muitos dos artistas paranaenses que hoje encontram reconhecimento além das fronteiras. “Tanto o Salão Paranaense quanto importantes mostras que passaram pelo MAC Paraná formam um grande caleidoscópio da produção da arte contemporânea das últimas décadas”, afirma.

 

DESTAQUES – Entre os destaques da programação para os próximos meses está a exposição do Salão Paranaense de Arte Contemporânea. Em sua 67ª edição, o Salão vem ao encontro de uma revisão sobre a coleção do museu e lacunas que nela existem, com o objetivo de ampliar a diversidade e a pluralidade de vozes representadas nesse acervo.

 

Com edital aberto a artistas brasileiras e brasileiros de todo o território nacional, o salão, de maneira inédita, valorizou e incentivou a inscrição de grupos que sofrem discriminação baseada em raça, gênero, etnia, cultura e pessoas LGBTQI+.

 

Outro projeto pautado pelas atuais diretrizes é o Possíveis Conexões, uma grande exposição-laboratório em que todas as atividades que compõem a criação de uma mostra serão transformadas em cursos abertos a centenas de estudantes de artes de todo o Paraná e à comunidade em geral. O resultado desse processo será uma grande mostra que trará visibilidade à produção universitária estadual, prevista para 2022.

 

A produção da pintora, desenhista e gravadora paranaense Dulce Osinski também vai ganhar duas exposições promovidas pelo MAC Paraná. Uma será dedicada a novos trabalhos da artista de Irati, com curadoria de Benedito Costa Neto, e a segunda fará um resgate histórico de sua importante produção em constante transformação

 

Nos últimos meses, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná também promoveu uma série de ações online para levar arte ao público durante o período de isolamento social. Além de valorizar seu acervo por meio das redes sociais, o museu foi escolhido o representante brasileiro da exposição online Do It Home, promovida pelo Independent Curators Intl e com curadoria de Hans Ulrich Obrist.

 

Nesse programa, o público teve contato com uma série de instruções de artistas como Olafur Eliasson, BTS e Jota Mombaça para produzir obras de arte e se desconectar, por alguns momentos, da vida digital.

 

ENCONTROS – Dando continuidade às ações culturais online, o museu vai promover, nos próximos meses, uma série de encontros para discutir temas pertinentes à arte contemporânea – da arte indígena contemporânea no Paraná a uma discussão sobre curadoria e a relação entre museus e universidades.

 

Dessa forma, o MAC Paraná se fortalece como museu que tem a missão de estabelecer um diálogo crítico entre passado e presente, culturas e territórios; promover o encontro entre os públicos e a arte por meio de experiências inclusivas e transformadoras; e ampliar, pesquisar, preservar e difundir seu acervo, cada vez mais plural.

 

ANIVERSÁRIO ONLINE – Para marcar os 51 anos da instituição, o MAC Paraná publica em seu perfil no Instagram uma série de depoimentos de artistas, críticos, ex-funcionários e do próprio criador do museu, o artista Fernando Velloso. Por meio dos depoimentos, constrói-se um panorama crítico sobre o passado, o presente e o futuro do museu. (Com AEN)

 

 

 

Obras do Governo do Estado nos municípios ultrapassam R$ 900 milhões

Somente nos dois primeiros meses de 2021, o Governo do Estado destinou R$ 397 milhões para o pagamento de obras e ações nos municípios paranaenses. O valor faz parte de um montante de R$ 928 milhões, coordenados pela secretaria estadual do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, para a execução de 988 projetos em 324 cidades, incluindo recursos do Tesouro do Estado, de linhas de crédito e contrapartidas municipais.

 

Os investimentos ajudam a viabilizar a instalação de 74 unidades do programa Meu Campinho, 34 barracões industriais, terminais de transporte, paços municipais, reformas e construção de escolas, creches, unidades de saúde, ginásio e quadras esportivas e quase 6 mil quilômetros quadrados de ruas pavimentadas, somando asfalto novo e recapes.

 

Além das obras, que se encontram em diferentes estágios de execução, R$ 35 milhões foram aplicados para a aquisição de 132 veículos e 69 equipamentos rodoviários. Os investimentos da Secretaria do Desenvolvimento Urbano também ajudam os municípios a elaborarem seus planos diretores, o que contribui com o planejamento urbano das cidades paranaenses. Com esses recursos, 19 cidades estão desenvolvendo seus planos diretores e outras duas os planos de mobilidade.

 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou que, mesmo com a pandemia, o Governo do Estado não deixa de investir nos municípios. “Um dos nossos planos para ajudar na retomada econômica do Paraná, depois de todo impacto da emergência de saúde pública, é a liberação de recursos para executar essas obras. Além de deixar as cidades mais bonitas e garantir a prestação de serviços públicos para a população, as obras movimentam a economia e geram muitos empregos”, afirma.

“Cada ação que se completa gera melhorias importantes à população. Promover o desenvolvimento urbano é beneficiar o morador com mais qualidade de vida, desde um asfalto melhor em frente à sua casa, até o bom acesso ao trabalho e aos serviços públicos”, afirma o secretário estadual do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, João Carlos Ortega. “Esses projetos facilitam o acesso à saúde, à educação e ao lazer. Também significam o apoio à produção industrial e a geração de emprego e renda na comunidade, com o estímulo à economia local e regional”, destaca.

 

AÇÕES – Das 988 ações da secretaria nos dois primeiros meses do ano, 476 estão em execução; 51 receberam seus cronogramas; 10 receberam a aprovação técnica; 173 a autorização para licitação e 35 foram liberadas para a contratação dos fornecedores de produtos ou serviços, enquanto outras 162 tiveram seus contratos assinados. Outras 81 já foram concluídas e liberadas para uso da população.

 

Grande parte desses projetos conta com recursos a fundo perdido, repassados diretamente do Tesouro do Estado para o caixa dos municípios. São R$ 392,6 milhões de transferências diretas, voltadas para 662 ações. Os outros R$ 537 milhões foram financiados para a execução de 326 obras e projetos. As linhas de crédito são da Fomento Paraná e do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremos Sul (BRDE). (Com AEN)

 

 

Policial Civil de 37 anos morre em decorrência da Covid-19 em Cascavel

Nota da Polícia Civil do Paraná. 

É com pesar que a Polícia Civil do Paraná (PCPR) comunica o falecimento do policial civil Luiz Rodolfo Michalouski, de 37 anos, ocorrido nesta quinta dia (25), em Cascavel.  

 

O investigador trabalhou por nove anos na instituição, tendo passado pela Subdivisão da PCPR em Cascavel. Atualmente, exercia as atividades na Delegacia de Homicídios, na mesma cidade. (Com Setor de Comunicações da PCPR).

 

O policial morreu em decorrência da Covid-19.

 

Michalouski tinha 37 anos e não possuía histórico de comorbidades. Ele atuava como investigador e já trabalhou como Policial Militar (PM).

 

O investigador estava internado desde o dia 08 de março. Segundo informações de familiares, ele foi intubado no dia 10.

 

Ele deixou esposa e dois filhos. (Com CATVE). 

Hashtag:
Encontro do Mais Médicos debate enfrentamento da pandemia

O Encontro Científico Mais Médicos Paraná debateu nesta quarta-feira (24), de forma virtual, a Atualização Clínica e Epidemiológica da Covid-19. O programa foi lançado em 2013 pelo Governo Federal com o objetivo de diminuir a carência de profissionais em áreas consideradas prioritárias pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

“O Paraná conta hoje com 852 médicos atuando por meio do programa em 284 municípios e distritos sanitários indígenas de Coronel Vivida, Guaíra, Ortigueira, Tamarana e Manoel Ribas, compondo uma grande e importante força de trabalho neste momento de enfrentamento da pandemia da Covid-19, considerada a maior crise sanitária e humanitária da história. A participação destes profissionais tem sido fundamental para fortalecer o atendimento nos serviços de saúde do Estado”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, na abertura do encontro.

 

O vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM), Wilmar Guimarães, participou do evento e destacou a importância da disseminação do conhecimento. “A Medicina exige esmero e dedicação diários. Épreciso ainda que estejamos em harmonia, seguindo princípios legais e científicos da área. Em que pese a autonomia profissional, temos certeza que entre os profissionais médicos deve prevalecer o bem maior e a saúde de todos diante de indicações de tratamentos”, disse.

 

Governador participa da criação de comitê nacional para enfrentamento da pandemia

Complexo Hospitalar do Trabalhador é referência de atendimento na pandemia

A secretária de Saúde de Corbélia, representante do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems), Cleide dos Santos Messias, ressaltou a parceira do governo estadual. "O Estado tem sido parceiro e ouvinte, promovendo e incentivando ações que diminuem as desigualdades na assistência e serviços de saúde", disse.

 

O encontro ainda teve a participação de médicos, supervisores, tutores, gestores envolvidos com o programa no Estado e da diretoria da Escola de Saúde Pública do Paraná, que promoveu o evento.

 

EDITAL – O Programa Mais Médicos Paraná está com edital aberto com vagas relacionadas ao 23º Ciclo - são 199 vagas. Trata-se do edital nº 4, de março de 2021, e prevê o chamamento público de médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado no Brasil, com registro no Conselho Regional de Medicina. Este edital segue aberto até o dia 26 com início das atividades entre os dias 19 e 30 de abril.

 

O edital nº 5, também de março de 2021, que previa o chamamento público do Distrito Federal e municípios para a renovação da adesão ao programa e confirmação para provimento de médicos pelo período de três anos, foi encerrado no último dia 19, com a adesão de 100% dos 90 municípios elegíveis. (Com AEN)

 

 

 

 

 

 

 

 

Média de aplicação da 1ª dose da vacina pelos municípios está em 64,5%

A aplicação das primeiras doses da vacina contra a Covid-19 já recebidas pelos municípios paranaenses chegou a 64,5% na manhã desta quinta-feira (25), totalizando 704.320 doses aplicadas. As cinco cidades com maior média são Marilena (98,6%), Paraíso do Norte (98,1%), Santa Isabel do Ivaí (97%), Farol (96,7%), Terra Rica (94,7%) e Santo Antônio do Caiuá (94,4%).

 

Os percentuais levam em consideração as 1.091.871 vacinas distribuídas para a aplicação da primeira dose pela Secretaria da Saúde desde o início da imunização dos paranaenses, em janeiro – sendo que 369,65 mil novas doses chegaram aos municípios na última segunda-feira (22). Os dados são do Vacinômetro, nova plataforma da pasta para atualizar o status da imunização do Paraná contra o coronavírus em tempo real.

 

Dos 399 municípios, 19 haviam aplicado entre 90% e 99,9% das doses recebidas, 26 entre 80% e 89,9% e 73 entre 70% e 79,9%. A maior parte dos municípios figura entre 60% e 69,9% das primeiras doses aplicadas: são 125 cidades nesta faixa, o equivalente a 31% de todo o Estado. Além destes, 88 municípios aplicaram entre 50% e 59,9% das doses, e 60 não chegaram a aplicar metade do que foi recebido.

 

Outros oito municípios apresentam mais de 100% de aplicação, mas o Vacinômetro aponta inconsistência nos dados recebidos por essas prefeituras.

 

Das 22 regionais de Saúde do Paraná, a que obtém melhor média geral é a de Paranavaí, que já aplicou 73,1% do total de primeiras doses recebidas. A única outra regional que também já superou os 70% é a de Cascavel, com 72,9% das doses aplicadas.

 

Governador participa da criação de comitê para enfrentamento da pandemia

Governador decreta luto oficial de três dias em respeito aos 15 mil mortos

MAIORES MUNICÍPIOS – Entre as cidades mais populosas do Paraná, que consequentemente recebem mais doses em números absolutos, Francisco Beltrão é a que obtém a melhor percentagem de aplicação, com 76,3% das doses aplicadas. Outras cinco grandes cidades também já aplicaram mais de 70% das doses: Foz do Iguaçu, Araucária, Maringá, Toledo e Cascavel.

 

Umuarama, Curitiba, Campo Largo, Guarapuava, Ponta Grossa, Campo Mourão, Arapongas, Apucarana e Londrina estão entre 60% e 69,9% das doses aplicadas. Entre 50% e 60% estão Cambé, São José Dos Pinhais, Colombo, Paranaguá e Paranavaí.

 

SEGUNDA DOSE – A média da aplicação da segunda dose, por sua vez, está em 74,9%. Das 274.160 doses distribuídas, 205.221 já foram aplicadas. Três municípios já utilizaram 100% das vacinas recebidas: Guairaçá, Campo Bonito e Ourizona, e 31 já superam a taxa dos 91% de aplicação. Há números inconsistentes em 17 municípios.

 

ACELERAÇÃO – O Governo do Estado pediu, nesta semana, a aceleração da vacinação pelos municípios. A estratégia faz parte de uma nova recomendação do Ministério da Saúde, que prevê o uso de todas as vacinas disponíveis para aplicação da primeira dose para aumentar rapidamente a base da população vacinada no Paraná.

 

Anteriormente, metade das remessas recebidas eram armazenadas durante o intervalo das doses recomendado pelas fabricantes – 21 dias para a Coronavac e três meses para a vacina da Universidade de Oxford/Astrazeneca/Fiocruz.

 

Governo reforça orientação para que municípios agilizem a vacinação

 

Site da Secretaria da Saúde traz atualizações da vacinação em tempo real

 

Além da nova recomendação, o Governo do Estado também pediu aos municípios que usassem todas as doses já recebidas, para de fato ampliar a população imunizada. Atualmente, está em curso a imunização de pessoas acima de 70 anos, profissionais da saúde e quilombolas.

 

A expectativa da Saúde é vacinar todos os grupos prioritários até maio de 2021. A estimativa da população a ser vacinada nesta etapa é de 4.635.123 de paranaenses.

 

Confira as vinte cidades com maior percentual de aplicação até esta quinta-feira:

 

Marilena – 98,6%

Paraíso do Norte – 98,1%

Santa Isabel do Ivaí – 97%

Farol – 96,7%

Terra Rica – 94,7%

Santo Antônio do Caiuá – 94,4%

Fênix – 94,1%

Mangueirinha – 93,8%

São Pedro do Paraná – 93,5%

São João – 92,9%

São João do Caiuá – 92,5%

Coronel Vivida – 92,3%

Nova Aliança do Ivaí – 92,3%

Amapora – 91,9%

Espigão Alto do Iguaçu – 91,5%

Atalaia – 90,8%

Tamarana – 90,7%

Santa Cruz do Monte Castelo – 90,4%

Novo Itacolomi – 90,2%

Leopolis – 89,2%

Confira a média das vinte cidades que mais aplicaram doses em números absolutos:

Curitiba – 69,6%

Londrina – 61,3%

Maringá – 74,6%

Cascavel – 72,9%

Ponta Grossa – 65%

Foz do Iguaçu – 75,2%

São José dos Pinhais – 59,5%

Guarapuava – 65,3%

Toledo – 73,1%

Umuarama – 69,6%

Apucarana – 61,7%

Campo Largo – 66,1%

Arapongas – 61,8%

Colombo – 56,4%

Francisco Beltrão – 76,3%

Araucária – 74,9%

Cambé – 59,7%

Campo Mourão – 62,4%

Paranaguá – 55,1%

Paranavaí – 53,9%. (Com AEN)

 

 

 

 

 

 

 

 

Colégios Cívico-Militares serão referência para uma nova geração de estudantes

O governador Carlos Massa Ratinho Junior afirmou nesta quinta-feira (25) que a nova modalidade de ensino dos Colégios Cívico-Militares do Paraná (CCM-PR), que começa a ser implantada neste ano letivo em 197 escolas da rede pública estadual, será referência para uma nova geração de estudantes. Ele participou do terceiro dia de treinamento promovido pela Secretaria de Estado da Educação e do Esporte para policiais militares da reserva remunerada que atuarão como monitores e diretores cívico-militares dessas unidades.

 

Ratinho Junior destacou que este é maior programa de ensino cívico-militar do País. “O conceito desse projeto é repassar para nossos alunos uma referência diferenciada, para criar uma geração melhor, com uma nova mentalidade e que conheçam e respeitem as regras da sociedade, com conhecimentos sobre hierarquia e respeito”, disse. “Essas escolas serão referência para o Brasil e foi aprovada pela comunidade escolar, elas vão ajudar muito os jovens para o futuro”. 

 

Ele ressaltou que o Governo do Estado está fazendo uma transformação no modelo educacional nos últimos dois anos. Além da implantação dos Colégios Cívico-Militares, também passaram a ser oferecidas disciplinas de Educação Financeira e Programação, pensando no futuro dos estudantes paranaenses.

 

“É uma ruptura de um modelo que funciona desde os anos 1980 e precisava ser atualizado. A transformação está funcionando tão bem que o Paraná saltou, no ano passado, do sétimo para o terceiro lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)”, destacou. “Foi o que também nos motivou a implantar esse programa, já que historicamente os colégios cívico-militares têm as melhores notas do Ideb no País”.

 

Escolas estaduais arrecadam eletrônicos para garantir acesso a aulas online

 

Escolas vão distribuir merenda para famílias de alunos mais vulneráveis

O governador agradeceu os policiais da reserva que se inscreveram para participar do programa. “São profissionais que por muitos anos se dedicaram a defender as famílias paranaenses e agora colocam à disposição o seu talento, conhecimento e história de vida para colaborar com aquilo que representa a transformação da sociedade, que é a educação”, salientou.

 

TREINAMENTO  O secretário estadual da Educação, Renato Feder, explicou que após esse treinamento, que segue até a sexta-feira (26), os militares estarão aptos para trabalhar nas escolas. Os CCM-PR já seguem a nova modalidade desde o início de março, por meio do ensino remoto, mas os policiais começam a exercer suas funções em abril. “Eles estarão nas unidades para apoiar e dar suporte aos professores civis. Cada um terá seu papel nas escolas, os professores serão responsáveis pelo ensino pedagógico e os militares vão ajudar na disciplina, no respeito e na organização das escolas”, disse.

 

Desde o início do mês de março, os CCM-PR já atuam remotamente seguindo a nova modalidade, incluindo as aulas de Cidadania e Civismo. O curso começou na terça-feira (23), e os militares acompanharam palestras com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, e com o senador potiguar Styvenson Valentim, que como capitão da PM, ajudou na recuperação de uma escola no Rio Grande do Norte.

 

Até a sexta-feira, eles também participam de oficinas, que trazem as seguintes temáticas: A escola como lugar de formação humana; A escola, o Aula Paraná e as ferramentas de gestão; Rotinas e procedimentos em situações diversas; Normas de Conduta e Atitudes; Normas de uso de uniformes e apresentação individual; e A liderança na gestão escolar.

 

Primeiro mês de aulas teve quase um milhão de meets

 

Educação oferece cursos de TI para alunos da rede estadual

 

197 ESCOLAS  O maior programa de Colégios Cívico-Militares do País iniciou neste ano em 197 escolas do Estado. A nova modalidade de ensino terá uma matriz curricular maior, com seis aulas diárias (30 por semana), com mais aulas de Língua Portuguesa e Matemática e o acréscimo de Cidadania e Civismo, com uma aula por semana para o Ensino Fundamental II (do 6º ao 9º ano) e para o Ensino Médio.

 

A gestão é compartilhada entre civis e militares, sendo o diretor-geral e o diretor auxiliar (quando a escola necessitar) civis. O diretor cívico-militar será responsável pela disciplina e atividades cívico-militares, além de poder auxiliar nas partes de infraestrutura, patrimônio, finanças e segurança. Cada escola terá de dois a quatro monitores militares, conforme a quantidade de alunos.

 

Até o momento, há 721 vagas destinadas ao Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários (CMEIV). Das 197 unidades, apenas 19 ainda dependem da seleção de monitores militares. A Secretaria de Estado da Segurança Pública vai abrir novo edital de processo seletivo para preencher as vagas remanescentes. (Com AEN)

 

 

 

 

 

 

 

 

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência e personalizar publicidade. Ao navegar em nosso site você concorda com nossa Política de Privacidade.