Dicas de saúde, turismo, lazer e muito mais...

Entenda por que a retirada de costelas causam riscos à saúde


Publicado por: - 28/07/2016

Quando se fala da busca por um "corpo de boneca", a cirurgia plástica se torna a maior aliada para alcançar o objetivo: próteses de silicone, botox e lipoescultura são procedimentos visados para quem quer mudar o corpo. 

 

A operação de retirada de costelas promete uma cintura mais fina, porém, com vários riscos para a saúde do paciente e integridade de pulmões e outros órgãos.

 

A médica Ivanoska Filgueira mostra quais são os riscos do procedimento e alternativas para quem busca uma silhueta mais fina. 

 

Mas existem operações que prometem grandes resultados, mas que colocam em risco até mesmo a integridade dos órgãos internos dos pacientes. Um deles, é a remoção das costelas para se ter uma cintura mais fina. O procedimento não é aprovado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, mas algumas pessoas não se inibem com a proibição e buscam, mesmo assim, realizam a operação. 

 

A modelo Débora Óliver, que participou do concurso Miss Bumbum em 2015, viajou à Colômbia em busca da operação, orçada em R$ 100 mil. A modelo de 1,55m, à época, afirmou que sabia dos riscos, mas que estava disposta a corrê-los para ganhar a competição. 

 

A cirurgiã plástica explica quais riscos são esses e ainda afirma: o procedimento é resultado de um "desespero" do paciente. "Realizar um procedimento dessa magnitude, por um exagero estético, é um ato desesperado nessa busca desenfreada em seguir um padrão de beleza. Essa cirurgia causa riscos em curto, médio e longo prazos." 

 

Ainda de acordo com ela, os ossos das costelas possuem funções de importância muito além de uma necessidade estética. "As costelas são constituídas para proteger toda a caixa torácica, o que envolve os pulmões, o coração e, no caso das flutuantes, partes do intestino. Ao se retirar parte dessa estrutura, você causa um desequilíbrio no corpo, uma instabilidade no tórax, causando dificuldades na respiração." 

 

Segundo a médica, é necessário que as pacientes saibam os perigos envolvidos nesse tipo de procedimento. "O primeiro problema é que o corpo vai procurar uma forma de compensar a falta. Haverá uma compensação nos músculos respiratórios, que podem causar, a longo prazo, uma imensa dificuldade para respirar. Há o risco de perfurações nos órgãos que as costelas protegem. Com o passar do tempo, o paciente pode ter deformidades no tórax e problemas de postura." 

 

Para a cirurgiã plástica, esse procedimento pode ser substituído por outros mais seguros. "Não acredito que qualquer procedimento que coloque a saúde do paciente em risco seja benéfico. Se o paciente busca uma cintura mais fina, existem diversos outros meios para se atingir o objetivo. Dependendo da estrutura corporal da paciente, pode-se indicar atividades físicas, lipoaspiração, entre outros. Não há motivos para se correr um risco desnecessário."

 

 

 

36344
com_k2.item
(0 estrelas, média 0 de 5)
Entenda por que a retirada de costelas causam riscos à saúde0 out of 50 based on 0 voters.


Veja também:

  • Homem encontra corpo dentro churrasqueira

    Um homem que foi passar o final de semana na casa da praia, em Balneário Pinhal (RS), foi surpreendido ao encontrar um corpo dentro da churrasqueira, na tarde deste sábado dia 07. 

     

    De acordo  com o capitão da Brigada Militar, Marco Antônio de Quadros Jr, o corpo estava em avançado estado de decomposição.

  • Ossada encontrada pode ser de mulher desaparecida há quase 7 meses

    No final da tarde desta quarta dia 27, foi localizada a ossada que pode ser de Marina Pires de Andrade, 47 anos, desaparecida desde o dia 01 de março de 2017.

     

    A ossada estava dentro de sacos em uma mata próximo de onde ela teria desaparecido em Planalto e foi localizada pelo ex-marido dela, Remi Hartmann.

  • Lente causa mais contaminação que cirurgia, aponta pesquisa

    Recente pesquisa divulgada no JCRS (Journal of Cataract & Refractive Surgery) mostra que o uso prolongado de lente de contato gelatinosa causa 17 vezes mais contaminação microbiana da córnea, lente externa do olho, do que a cirurgia refrativa após cinco anos do procedimento.

     

    Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier de Campinas, no mundo todo o risco de contaminação na cirurgia refrativa é de apenas 0,24%.

Entre para postar comentários