Surto de hepatite em crianças pode ser provocado por vírus comum

Estudos conduzidos pela Universidade de Glasgow e pelo Great Ormond Street Hospital em Londres indicam que alta recente em casos de hepatite aguda entre crianças está provavelmente ligada a um vírus infantil comum.

Países por todo o mundo começaram a reportar casos de inflamação grave do fígado, a hepatite, causada por origem desconhecida em crianças em abril de 2022. Pelo menos 1.010 casos foram registrados em 35 países, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No total, 46 crianças precisaram de transplantes de fígado e 22 morreram.

Os estudos foram publicados como pré-prints, ou sejam, ainda serão revisados por outros cientistas. As publicações sugerem que um outro vírus comum, um vírus adeno-associado 2 (AAV2), estava presente na maioria dos casos, e está mais provavelmente envolvido nas raras, porém graves, complicações hepáticas.

As pesquisas não esclarecem se o vírus encontrado nas crianças era indicador de uma infecção anterior de adenovírus ou uma causa própria.

Escócia

De acordo com um dos estudos, em abril de 2022, um grupo de cinco crianças com icterícia e hepatite aguda grave de origem desconhecida foi relatado na Escócia. Para enfrentar o problema, o Sistema Público de Saúde da Escócia convocou uma equipe de acadêmicos da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido para investigar o problema. Em julho deste ano, o país registrou 36 crianças com 10 anos ou menos com hepatite aguda inexplicada, uma das quais necessitou de transplante de fígado

O estudo investigou a possibilidade de que casos de hepatite sem origem definida possam estar ligados à infecção prévia por covid-19. No entanto, segundo os cientistas responsáveis, a lesão hepática direta por SARS-CoV-2 "parece improvável", pois apenas dois de nove casos foram positivos ao vírus.

"Além disso, a positividade do anticorpo SARS-CoV-2 em casos de hepatite estava dentro das taxas de positividade da comunidade naquele momento, em crianças que se apresentaram aos departamentos de emergência entre janeiro e junho de 2022. No entanto, não é possível excluir totalmente um fenômeno relacionado ao pós-covid-19 em crianças suscetíveis", diz o estudo.

Brasil

No Brasil, até o momento, seis casos são considerados "inconclusivos", dos quais três precisaram de transplante e uma criança morreu. Um outro caso é tratado como provável, segundo informe divulgado pelo Ministério da Saúde no dia 14 de julho. A pasta tem acompanhado e monitorado a incidência de casos de hepatite aguda grave no Brasil em crianças e adolescentes. Ao todo, 44 casos seguem em análise como "suspeitos".

Sintomas

Os sintomas incluem alto índice de enzimas no fígado, vômito, diarreia, dores abdominais e icterícia (quando a pele e a parte branca dos olhos ficam amareladas). Ela se manifesta de forma muito severa e não tem relação direta com os vírus já conhecidos da hepatite.

Segundo o ministério, a hepatite grave nessa faixa etária, levando à insuficiência do fígado, é uma ocorrência relativamente rara. "Muitas causas de diferentes naturezas já foram associadas ao quadro, mas é importante ressaltar que grande parte dos casos de hepatite aguda grave em crianças e adolescentes normalmente já não tinham sua causa determinada", afirma a pasta.

Causas

Entre as causas infecciosas de hepatite, além das hepatites virais A, B, C, D e E, outros vírus podem provocar a doença, como o herpes simplex, o Epstein-Barr, o citomegalovírus, os enterovírus e até as arboviroses, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Além disso, algumas infecções bacterianas também podem mais raramente acometer o fígado.

Intoxicações por medicamentos como paracetamol, albendazol e fluconazol são causas bastante conhecidas de hepatites agudas. Muitas doenças autoimunes, congênitas e vasculares mais raras também podem desencadear o quadro de intoxicação.  

"Categorizar e notificar um quadro como hepatite aguda de etiologia a esclarecer não significa necessariamente que se espera descobrir algo desconhecido até o momento, e sim que é preciso refinar a investigação das causas e o entendimento geral das hepatites graves em crianças e adolescentes, não só devido ao surto atual, mas também pela existência histórica de um déficit de conhecimento em relação a esse agravo", explicou o ministério.

O tratamento atual busca aliviar os sintomas e estabilizar o paciente se o caso for grave. As recomendações de tratamento deverão ser aprimoradas, assim que a origem da infecção for determinada. 

Os pais devem ficar atentos aos sintomas, como diarreia ou vômito, e aos sinais de icterícia. Nesses casos, deve-se procurar atendimento médico imediatamente. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Covid: Animais de estimação podem pegar e transmitir o coronavírus?

No final de junho, um grupo de pesquisadores da Tailândia relatou o primeiro caso conhecido em que um ser humano pegou covid após ter contato com um gato que estava infectado com o coronavírus.

Essa é a quarta espécie animal em que foi documentada a infecção com o patógeno e a possibilidade de transmissão da doença para pessoas — as outras três são os visons, os hamsters e os veados de cauda branca.

Mas, afinal, os bichos de estimação podem mesmo pegar covid? A resposta é sim, e há diversos estudos que confirmam essa possibilidade.

Porém, pelo que se sabe até agora, esses casos são raros e a infecção tende a ser bem mais leve neles.

A BBC News Brasil ouviu especialistas para entender os potenciais riscos da covid entre os pets — e se existe algo que pode ser feito para protegê-los.

O episódio aconteceu em agosto de 2021 na cidade de Bangcoc, capital da Tailândia. O relatório completo sobre o caso foi publicado no final de junho deste ano no periódico científico especializado Emerging Infectious Diseases.
 

Um pai e um filho, cujas identidades foram preservadas, receberam diagnóstico positivo para covid e, seguindo a recomendação local, foram transferidos para uma unidade de isolamento na cidade de Songkhla, localizada no sul do país.

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Na mudança temporária, eles levaram um gato, que ficou no mesmo quarto deles por alguns dias.

Depois, o animal foi transferido para um hospital veterinário, onde passou por uma avaliação e alguns exames, que depois comprovaram que o bichano também estava com covid.

Durante a consulta, na hora em que a veterinária passou o swab (haste flexível) no nariz do gato, ele espirrou.

A profissional usava máscara e luvas, mas estava com os olhos desprotegidos — e foi provavelmente nesse momento que a transmissão do coronavírus para ela aconteceu.

Três dias após a consulta, a veterinária estava com febre, tosse e espirros. Um teste confirmou o diagnóstico de covid nela também.

Mas como os cientistas sabem que o patógeno veio mesmo do gato? Ao analisar o histórico da paciente, eles viram que nenhum contato próximo dela estava com covid naqueles dias (o que diminui a probabilidade de a infecção ter ocorrido a partir de outro indivíduo).

Para completar, os autores do trabalho realizaram análises genéticas de amostras colhidas do pai, do filho, da veterinária e do gato. Todos apresentavam a mesma variante do vírus, com sequências genéticas idênticas. Isso, por sua vez, reforçou a possibilidade de a transmissão ter acontecido por meio do gato.

Um 'retorno' à natureza?

A história do gato na Tailândia está longe de ser única.

Ao longo dos últimos dois anos, cientistas de várias partes do mundo descreveram outros episódios de animais que também se infectaram com o coronavírus e até desenvolveram alguns sintomas.

Foi o caso de diversas espécies que vivem em zoológicos e santuários, como leões, tigres, leopardos, lontras, gorilas, hienas, quatis, hipopótamos e até peixes-boi.

O Sars-CoV-2, coronavírus responsável pela pandemia atual, também foi encontrado em bichos de estimação, como gatos, cachorros, hamsters e furões.

Muito provavelmente, todos esses animais tiveram contato com cuidadores e tutores que estavam com covid.

Algumas espécies, porém, não apenas se infectaram, como também há evidências de que tenham transmitido o patógeno de volta para outros seres humanos.

Por ora, são quatro os episódios que se encaixam nessa categoria: os visons (ou minks, animais usados pela indústria de casacos de pele) na Europa, os hamsters em Hong Kong, os veados de cauda branca no Canadá e, mais recentemente, o gato na Tailândia.

Esse fenômeno é descrito entre os especialistas com o termo spillback (algo como "retorno", em tradução livre para o português).

Ele é um processo contrário ao spillover (algo como "transbordamento"), que acontece quando um patógeno que circula numa espécie passa a afetar algumas outras.

spillover foi o que provavelmente aconteceu com o Sars-CoV-2: a tese mais aceita é a de que ele infectava apenas morcegos no Sudeste Asiático quando sofreu uma série de mutações genéticas que permitiram que ele "pulasse", ou "transbordasse", para seres humanos e começasse a ser transmitido de pessoa para pessoa.

"Cerca de 75% das doenças infecciosas que nos afetam surgiram a partir de outros animais. Os vírus, bactérias, fungos e protozoários estão lá, no hospedeiro natural, como um animal silvestre, sofrem mutações e adquirem uma afinidade por um novo hospedeiro", detalha a bióloga molecular Ana Gorini da Veiga, professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

 

A pesquisadora lembra que essa não foi a primeira vez que um coronavírus "pula" para os seres humanos nas últimas duas décadas. Em 2002, o Sars-CoV passou por morcegos e civetas até chegar a nós. Já em 2011, o Mers-CoV, antes restrito a morcegos, camelos e dromedários, ganhou a habilidade de circular entre as pessoas.

Em paralelo ao spillover, o spillback também aconteceu com o causador da covid, o Sars-CoV-2: várias espécies de animais, que antes não eram afetadas por esse patógeno, também começaram a ser infectadas de 2020 para cá.

Devo me preocupar?

Apesar dos casos documentados, os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil entendem que a infecção pelo Sars-CoV-2 é muito rara em outros animais.

"Por mais que exista a possibilidade de infecção e ela não seja nenhuma surpresa para nós, a afinidade deste coronavírus com as demais espécies é muito pequena", esclarece o virologista Paulo Eduardo Brandão, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

E nada indica que o patógeno esteja evoluindo para infectar com mais voracidade outros seres além dos próprios humanos.

"O Sars-CoV-2 é um vírus muito seletivo em termos de hospedeiro. E a chegada das novas variantes mostra que ele está ficando cada vez mais especializado em nos infectar", analisa o cientista.

"Portanto, pelo que sabemos até agora, os animais não têm nenhuma importância na transmissão deste patógeno e raramente desenvolvem sintomas", completa.

 

 

Algumas precauções básicas

Uma pessoa que está com covid e precisa se isolar em casa deve tomar algum cuidado especial com os animais de estimação?

Os especialistas orientam manter um certo distanciamento do bicho, caso seja possível.

"Muitas vezes, durante a quarentena, o animal é uma ótima companhia. Porém, se você for ficar no mesmo ambiente, vale manter um distanciamento, usar máscara e reforçar os cuidados de higiene", orienta Gorini.

Brandão reforça que, se não tiver jeito de restringir o contato, manter o convívio com o pet não vai representar uma grande ameaça. "Não podemos repetir o que aconteceu em 2020, quando vários animais foram abandonados por seus tutores", diz.

"Ou seja: se você puder se isolar e outra pessoa cuidar do animal, melhor. Mas se você mora sozinho ou não tem com quem deixar, pode manter a rotina dentro de casa", resume.

Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos orienta que não se deve colocar máscaras nos animais — isso pode até causar algum mal à saúde deles.

Também não há necessidade de passar álcool em gel, desinfetante ou outros produtos de limpeza nas patas, no pelo ou na pele dos bichinhos.

Por fim, vale sempre conversar com o veterinário se o seu animal de estimação apresentar algum sinal atípico, abandonar a rotina, sentir-se prostrado e parar de comer, beber água ou fazer cocô e xixi.

Esses sintomas podem significar que ele está com alguma doença — e o diagnóstico precoce permite iniciar o tratamento com rapidez.

 

 

 

 

 

Por - BBC News

Whey protein pode substituir refeição? Entenda como funciona a proteína em pó

PTodo mundo que pratica atividade física e quer ganhar músculos já ouviu falar ou já utiliza whey protein.

É uma proteína em pó, à base do soro do leite, e que virou um combustível da dieta de quem malha. Os entendidos do assunto dizem que essa proteína aumenta a massa magra e melhora o desempenho físico, se estiver associado à atividade física e a uma alimentação saudável.

"(...) O consumo regular do whey protein aumenta a força e a massa muscular quando parte de um treinamento muscular. A proteína também pode ser eficaz para ajudar a recuperação muscular após exercícios intensos e minimizar a flacidez", explica a nutricionista Ina Carolina.

E os benefícios do whey protein não estão restritos apenas para aqueles que praticam a atividade física. De acordo com Ina Carolina, tendo acompanhamento profissional, outros casos podem ser solucionados.

 "A proteína do soro de leite pode ajudar também no ganho de peso em pessoas desnutridas ou com problemas para ganhar e manter peso, ou em sarcopenia (perda generalizada e progressiva da força e massa muscular esquelética) em idosos."

 "Com exceção de quem é alérgico ou tem intolerância, qualquer adulto saudável pode tomar whey protein, se prescrito por um nutricionista. Aí é necessário avaliar a necessidade e o quadro clínico, para incluir o suplemento na rotina de alimentação (...)."

 

O que o whey protein substitui e quais os mitos e riscos no seu consumo?

 A proteína do whey protein é encontrada em diversos alimentos do nosso dia a dia, como carne, frango, peixe e até queijos.

Por possuir aminoácidos essenciais que são rapidamente absorvidos pelo nosso corpo, o seu uso logo após ou, no máximo, uma hora depois da atividade física agiliza esse trabalho, como detalha a nutricionista Ina Carolina.

 "O whey protein é uma proteína, logo, o uso desse suplemento seria para substituir ou suplementar a quantidade de proteína necessária do indivíduo. Lembrando que a necessidade diária é particular e depende de vários fatores como peso, idade, atividade física e quadro clínico."

Como em qualquer produto, seu uso deve ser recomendado por um especialista já que, ser for consumido em excesso, pode trazer riscos para a saúde. "Se for consumido de maneira isolada e excessiva, o suplemento não apenas deixará de trazer os benefícios que poderia, como também pode fazer mal em algumas situações."

Por sinal, um dos mitos no uso do whey protein é dizer que ele engorda. "O whey protein engorda apenas se consumido em excesso como qualquer alimento. Quando utilizado de forma incorreta, em uma dieta desbalanceada ou sem necessidade. O que determina se você engorda ou emagrece é o seu balanço energético ao longo dos dias", detalha a nutricionista.

Mas sobre o mito de que o whey protein pode ser substituído por qualquer refeição, Ina faz um alerta:

 "É comum que o produto seja utilizado quando não há muito tempo para o preparo de um lanche ou de uma refeição. Mas é preciso que isso seja dosado. O uso do whey protein deve ser conciliado com uma alimentação balanceada, elaborada de acordo com as necessidades do indivíduo e levando em consideração todos os aspectos de saúde".

Por - Globo
Alimentos que secam a barriga existem? Nutricionista esclarece verdades e mitos

Em meio à busca dos brasileiros por emagrecimento, uma das principais preocupações é perder a barriga e encontrar alimentos específicos para isso. Mas esse tipo de "milagre" é possível? Afinal, existe mesmo algo que se possa comer e servir como atalho para o corpo dos sonhos?

Para a nutricionista Ana Luisa Nunes, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais, a resposta é simples: não. A especialista explica como a perda de barriga ocorre:

— A gordura do abdômen é perdida da mesma forma que as das demais regiões do corpo: com uma alimentação hipocalórica (em que se consome menos energia do que se gasta) e aumentando o gasto calórico com atividade física. Ou seja, toda a alimentação precisa ser ajustada. Não existe um único alimento que reduza a gordura abdominal.

 

O que faz perder a barriga?

A nutricionista explica que a redução da barriga é uma consequência do processo de emagrecimento, uma vez que uma alimentação em que se ingere menos energia do que se gasta estimula a oxidação de gordura corporal. Após oxidada, essa gordura se transforma em energia, que gastamos e, assim, a perdemos. O emagrecimento acontece dessa forma em todo o corpo.

— Para "secar a barriga", tem que haver emagrecimento geral. Não é possível perder gordura apenas em uma região, com exceção dos procedimentos cirúrgicos, como a lipoaspiração — explica Ana Luisa.

 

Qual a melhor maneira de perder a gordura da barriga?

Segundo a nutricionista, nem mesmo alimentos que aceleram o metabolismo, como os termogênicos, são uma garantia para "secar barriga". Ela alerta que histórias que prometem milagres são enganosas e explica o papel do nutricionista no trabalho de emagrecimento: 

—Se a ideia é que se coma menos energia do que se gasta, o nutricionista ajuda a calcular essa energia e convertê-la em alimentos. Inclusive, para que, nesse processo, nenhuma vitamina ou mineral fique em falta, prejudicando outros aspectos da saúde.

 

 

 

 

 

Por - O Globo

Brasil: pesquisa faz mapeamento da incidência de malária em gestantes

Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) fez um mapeamento da incidência de malária em gestantes no Brasil. A abrangência do estudo torna o trabalho inédito, tendo em vista que foi analisado um longo período, de 2004 a 2018, e envolve mais de 60 mil mulheres, a partir de dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Malária (Sivep-Malária), do Ministério da Saúde. Entre os resultados encontrados, está a observação de que a doença ocorre mais em grávidas de municípios dos estados do Amazonas, do Acre, de Rondônia e do Pará.

“São os hotspots para a doença, aquelas regiões que são mais críticas, onde a frequência da doença acontece com mais evidência. O estudo indica onde seriam necessárias maiores intervenções do sistema de saúde, de  políticas públicas”, explica Cláudio Romero Farias Marinho, professor do Laboratório de Imunoparasitologia Experimental do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP), que coordenou o trabalho. A pesquisa foi apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e publicada na revista Lancet Regional Health - Americas.

O grupo coordenado por Marinho estuda a malária gestacional há 10 anos. “As gestantes, assim como as crianças com idade até cinco anos, são os principais grupos de risco para desenvolver uma doença severa, a malária severa. A maior mortalidade do mundo se aplica a esses dois grupos”, pontuou. A doença é causada por protozoários do gênero Plasmodium e transmitida pelo mosquito Anopheles. As gestantes infectadas correm mais risco de ter anemia grave, parto prematuro, aborto e natimortalidade. O feto também pode ser afetado, apresentando microcefalia ou ter o crescimento prejudicado. 

O trabalho mostra também que houve redução para aproximadamente metade dos casos no período analisado. “Com todos os problemas que temos, o Brasil tem um programa muito sério de controle da malária. A doença tem que ser notificada e esse sistema é alimentado quase que diariamente. É um sistema de vigilância bastante eficiente”, avaliou. Além disso, ele destaca o fato de que todo o tratamento é gratuito. “Isso é super importante, porque isso evita resistência à droga, nós nos certificamos que realmente a pessoa foi tratada de forma adequada.”

Tratamento

Apesar disso, o estudo revelou ainda que o tratamento dessas pacientes pode estar sendo feito de forma inadequada, com a prescrição de um medicamento contraindicado, a primaquina. Marinho alerta, no entanto, que, como se trata de uma base de dados, é preciso confirmar essa informação, pois pode haver erro na informação registrada. “Esse é um importante ponto de alerta, mas cabe às autoridades olhar isso e verificar, ter um maior controle, verificar a veracidade dessa informação”, ponderou o pesquisador.

Sob a coordenação de Marinho, o levantamento foi conduzido pela pós-doutoranda do ICB-USP Jamille Dombrowski, em parceria com pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública (FSP-USP). A partir dessa análise epidemiológica, o foco do grupo agora é o diagnóstico precoce de uma complicação da doença, a malária placentária. Nesses casos, o parasita pode estar na placenta e a gestante sem apresentar sintomas. Dombrowski trabalha, portanto, em um projeto que quer identificar biomarcadores para que essa análise possa ser introduzida na rotina do pré-natal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Os possíveis prejuízos do trabalho remoto à saúde

Quando Cat, de 30 anos, recebeu a oferta de um trabalho totalmente remoto em 2021, aceitou sem pensar duas vezes.

Na ocasião, Cat — que mora em Londres e trabalha em serviços ambientais — já havia trabalhado remotamente devido à pandemia de covid. Achou, portanto, que trabalhar de casa não seria um grande problema.

Mas, nos últimos meses, mudou de opinião.

"Trabalhar sozinha dia após dia é difícil, especialmente quando meu marido está no escritório", afirma ela. "Às vezes, não vejo ninguém todo o dia, o que pode ser muito solitário. Descobri que, em vez de fazer intervalos para conversar com as pessoas no escritório, pego meu telefone. Esse aumento do tempo de tela com certeza prejudica meu bem-estar."

O trabalho remoto vem sendo defendido como a solução de alguns dos problemas do nosso estilo de vida acelerado pré-pandemia. Para muitos, ele ofereceu a oportunidade de passar mais tempo com os filhos ou de usar o tempo que antes era desperdiçado no transporte para buscar hobbies mais gratificantes.

Mas novas pesquisas sobre a relação entre o trabalho remoto e a saúde mental apresentaram resultados divergentes.

 

No relatório New Future of Work ("O novo futuro do trabalho", em tradução livre), publicado pela Microsoft em 2022, os pesquisadores indicaram que, embora o trabalho remoto possa aumentar a satisfação profissional, ele pode também fazer com que os funcionários se sintam "socialmente isolados, culpados e tentem fazer compensações".

Os efeitos negativos podem ter sido uma surpresa para alguns profissionais, que agora estão sentindo a pressão e percebendo que o trabalho remoto não é necessariamente a panaceia para a saúde mental, como vinha sendo anunciado. Ao contrário da narrativa corrente de uma demanda em massa pelo trabalho remoto, alguns funcionários, na verdade, estão preferindo assumir cargos com turnos parciais no escritório.

Mas, para muitos, essas desvantagens valem muito a pena. Para grupos que enfrentaram a vida de trabalho no escritório antes da pandemia, os problemas causados por trabalhar em casa são um pequeno preço a pagar.

 

'Crise de saúde mental em rápido crescimento'

As pessoas podem ter imaginado que trabalhar em casa seria uma utopia que incluiria fazer exercício nos intervalos de trabalho, preparar almoços saudáveis em casa e poder estudar facilmente. Mas, para muitos, a realidade é muito diferente.

Pesquisas indicam que os trabalhadores remotos trabalham por mais tempo e que até 80% dos profissionais britânicos sentem que trabalhar de casa prejudicou sua saúde mental.

Nicola Hemmings é cientista dos ambientes de trabalho na empresa americana de assistência à saúde mental Koa Health. Ela afirma que a falta de contato pessoal enfrentada por Cat é uma queixa comum.

Hemmings indica que a pandemia causou uma "crise de saúde mental em rápido crescimento" e que até as pessoas que abraçaram por completo a mudança para o trabalho remoto podem estar sujeitas a ela.

"Durante o trabalho remoto, nós perdemos as indicações sociais do escritório movimentado e das interações sociais, que são muito necessárias — conversar no corredor, beber algo na cozinha cumprimentando alguém e perguntando sobre o fim de semana", diz ela. "Esses momentos aparentemente sem importância, coletivamente, podem ter grande impacto sobre o nosso bem-estar."

O isolamento não é o único problema causado pelo trabalho remoto. Cat afirma que, além do sentimento de solidão, também percebeu que lidar com uma grande quantidade de chamadas de vídeo fez com que ela se sentisse "insegura". Ver constantemente seu próprio rosto na tela despertou em Cat o desejo de retomar as reuniões presenciais.

"Preferiria ter a opção de ir ao escritório algumas vezes por semana, para ter algum contato pessoal", conta.

Além disso, os profissionais de grupos específicos estão sentindo mais os efeitos negativos. Cat é da geração millennial e não tem filhos — um grupo muito propenso a ser afetado pelas dificuldades que ela descreve.

Uma sondagem demonstrou que 81% das pessoas com menos de 35 anos de idade se sentiram solitárias trabalhando em casa por longos períodos e estudos mostraram maiores níveis de estresse e ansiedade entre profissionais jovens desde a mudança para o trabalho remoto.

Hemmings afirma que circunstâncias específicas, mais frequentemente associadas aos profissionais jovens (millennials e da geração Z), como sua entrada recente no mercado de trabalho ou a falta de um espaço de trabalho calmo e exclusivo, podem ter forte impacto sobre sua saúde mental.

 

'Não tenho mais a síndrome do domingo à noite'

Mas, para algumas pessoas, o trabalho remoto durante a pandemia foi um divisor de águas positivo para superar as dificuldades.

Esse é especialmente o caso de profissionais com deficiências ou que têm responsabilidades de assistência a outras pessoas. Hemmings afirma que essas pessoas vivenciaram mudanças positivas na sua saúde mental.

Para elas, o trabalho no escritório pode ser extremamente prejudicial para o seu bem-estar, pois elas enfrentam longos deslocamentos com intensa agenda de compromissos pessoais, além da exaustão física e mental por lidarem com o estresse de ir e voltar de um local de trabalho inadequado para suas necessidades.

Lauren, de 28 anos, conta que trabalhar em casa certamente melhorou sua saúde mental. Mãe de uma criança e moradora no Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, ela ressalta que existem algumas desvantagens, como nunca se sentir totalmente desligada, mas os benefícios superam em muito os pontos negativos.

Ela diz que agora consegue trabalhar no mesmo cômodo enquanto seu marido brinca com sua filha ou ir a consultas médicas para ela ou sua filha no horário mais adequado.

"Pela primeira vez na vida, não tenho mais a síndrome do domingo à noite", afirma Lauren, que trabalha no setor de tecnologia.

"Tenho horários flexíveis, o que ajuda muito quando você tem uma criança. Com certeza, quero continuar com o trabalho remoto, pelo menos até minha filha entrar na escola."

Para Lauren, as desvantagens do trabalho remoto compensam a maior conveniência e mais tempo com sua filha. Kevin Rockman, professor de Administração da Escola de Negócios da Universidade George Mason, nos Estados Unidos, salienta que, embora haja questões inegáveis relativas à saúde mental, o saldo de benefícios para pessoas como Lauren é imenso.

"Não há dúvida de que o bem-estar é maior com o trabalho remoto", afirma ele. "Trocar o tempo de deslocamento por saúde pessoal, família ou recreação é quase uma garantia de benefícios positivos."

 

Em busca do equilíbrio

A mudança para o trabalho remoto não foi simples e, agora, muitas empresas estão enfrentando o problema de como projetar um modelo que funcione para todos.

As indicações disponíveis no momento mostram que as preferências e circunstâncias pessoais de cada um são um fator fundamental para saber se o trabalho remoto traz algum benefício — e, em caso positivo, se o valor desses benefícios supera as desvantagens, como o isolamento e a solidão.

"Implementar o trabalho remoto realmente é uma questão de reimaginar o que estar no trabalho significa para cada pessoa", afirma Rockman.

"Os empregadores precisam equilibrar a flexibilidade, fornecendo às pessoas as ferramentas necessárias para que elas permaneçam produtivas e [atender] as necessidades sociais dos funcionários. A forma desse equilíbrio ideal será diferente para cada empresa."

Rockman indica que diferentes grupos de pessoas terão experiências diferentes com o trabalho remoto.

Estudos mostram que jovens mães são mais propensas a ter benefícios com o trabalho em casa e que alguém que more com um parceiro e tenha uma rede social na sua região provavelmente sofrerá menos impactos negativos sobre o seu bem-estar que alguém que mora sozinho e tenha se mudado de cidade recentemente, por exemplo.

Também é possível que os funcionários desejem que o seu local de trabalho possa mudar ao longo do tempo. Um profissional da geração Z nos primeiros passos da carreira, por exemplo, pode valorizar o contato social do escritório e suas necessidades podem ser muito diferentes de uma mãe que trabalha ou de uma pessoa que cuida de um pai idoso.

O que funciona melhor não é necessariamente uma solução ideal para todos — e provavelmente estará também em mutação, dependendo das necessidades específicas de cada indivíduo ao longo do tempo.

Cat não está procurando um novo emprego no momento, mas conta que, quando o fizer, espera encontrar um que equilibre a rotina presencial e remota.

Ela tem enfrentado dificuldades com sua saúde mental trabalhando em casa, mas ainda não gostaria de voltar a passar cinco dias por semana no escritório — um sinal de como são complexos os sentimentos de muitas pessoas sobre as reais condições do "home office".

Quanto a Lauren, ela se imagina mudando para um sistema híbrido assim que sua filha entrar na escola, mas apenas se o trabalho for suficientemente flexível para que ela ainda possa sair ao meio-dia para ver a pequena em um evento na escola ou ir a uma consulta médica.

"Se não for assim, trabalhar em casa para sempre não parece muito ruim para mim", diz.

 

 

 

 

 

 

 

 

Por - BBC News

feed-image
SICREDI 02