Conheça os 10 alimentos com mais colesterol

A alimentação deve ser balanceada para controlar os níveis de colesterol. Conheça os 10 alimentos com mais colesterol.

 

Todo mundo conhece alguém que possui níveis altos de colesterol ou até mesmo sofre com esse problema.

 

Conhecido como colesterol alto, o problema faz com que o individuo se preocupe com a comida e viva fazendo dieta. Saiba mais sobre o assunto e veja os 10 alimentos com mais colesterol.

 

Colesterol 

Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 30% da população brasileira tem colesterol alto. Esse aumento tem várias causas, dentre elas ingestão excessiva de alimentos ricos em colesterol e o baixo consumo de alimentos ricos em fibras (como verduras, legumes), sedentarismo, excesso de peso ou hereditariedade.

 

A maior parte do colesterol, cerca de 70%, é produzido pelo nosso corpo, sintetizado pelo fígado. Os demais 30% são obtidos através da alimentação. O colesterol é encontrado em alimentos de origem animal como leite, gema de ovo e muitos outros. Cada vez mais cedo esse problema tem feito parte da vida das pessoas, atualmente cerca de 30% das crianças sofrem de colesterol alto.

O sarapatel contém grandes quantidades de colesterol. Foto divulgação 10 alimentos com mais colesterol O sarapatel contém grandes quantidades de colesterol.

10 alimentos com mais colesterol

 

1. Gema de ovo: está em primeiro lugar, cozida durante 10 minutos, a cada 100 g ela apresenta 1272 mg de colesterol;

 

2. Fígado bovino: quando grelhado, esse alimento contém 601 mg de colesterol a cada 100 g. ocupando o segundo lugar no ranking;

 

3. Ovo de codorna: o ovinho de codorna inteiro cru contém 568 mg de colesterol a cada 100 g desse alimento;

 

4. Ovo de galinha inteiro frito: a cada 100 g desse alimento estão presentes 516 mg de colesterol;

 

5. Ovo de galinha inteiro cozido: esse alimento preparado cozido apresenta 397 mg de colesterol em 100 g;

 

6. Fígado bovino cru: contém 393 mg de colesterol a cada 100 g;

 

7. Omelete de queijo: esse delicioso alimento contém 384 mg de colesterol em uma porção de 100 g;

 

8. Ovo de galinha inteiro cru: o ovo contém 356 mg de colesterol a cada 100 g do alimento cru;

 

9. Fígado de frango: esse alimento cru apresenta 341 mg de colesterol em 100 g do mesmo;

 

10. Sarapatel: o alimento também é rico em colesterol e por isso deve ser consumido com moderação. A cada 100 g de sarapatel, estão presentes 315 mg de colesterol.

O colesterol é uma gordura que está presente no nosso corpo, sendo essencial para o bom funcionamento das nossas células. Essa substância é produzida pelo próprio organismo e pode ser obtida através da alimentação. Os alimentos ricos em colesterol devem ser consumidos com moderação, já que quando em excesso essa gordura pode ser prejudicial para nossa saúde. Aposte no consumo de alimentos que diminuem o colesterol e tenha uma vida mais saudável.

 

Fonte - Mundo das Tribos

Como emagrecer sem se torturar ? Veja 6 atitudes que você precisa abandonar agora

Iniciar uma dieta não é nada fácil, pois a pessoa precisa se adaptar ao novo estilo de vida e entender que o segredo de como emagrecer é ter acompanhamento profissional, determinação e muita paciência. O primeiro passo para esse processo ser bem sucedido é apostar em novos hábitos e fazer mudanças consideráveis no cardápio. O problema é que no caminho muitas coisas podem aparecer e prejudicar a dieta.

 

Além de mudar os hábitos, é preciso buscar motivação para saber como emagrecer e manter o peso. “Acredito que a vontade de emagrecer deve partir de dentro para fora e que todas as atitudes de quem busca essa mudança precisam vir do seu desejo de estar bem consigo mesma”, explica a especialista em clínica médica e em nutrição funcional Sarina Occhipinti.

 

 

 

De acordo com a especialista, ao começar uma dieta, você passa por um processo de desintoxicação que não acontece apenas no organismo, mas em diversas esferas da vida. “É preciso ter mais do que força de vontade. Você realmente precisa querer mudar e, para isso, a pessoa não pode estar insatisfeita ou se sentindo obrigada a fazer isso.”

 


Muitas pessoas não tem sucesso no processo de emagrecimento porque não entende que isso não se restringe a apenas perder de peso, mas envolve também a busca por mais qualidade de vida. “Tentar emagrecer de forma descontente e se impondo restrições e dificuldades não é certo. É preciso descobrir dentro de si a vontade e a autoconfiança para se transformar e alcançar o objetivo”, afirma Sabrina.

 

No meio dessa busca de como emagrecer, sempre vai aparecer uma coisa ou outra que vai te deixar tentada a desviar o caminho. Para não cair em tentação, veja quais são os hábitos que você precisa deixar de lado se quiser que esse processo funcione e dure.

 

1. Apostar em dietas de sucos

 

Existem muitas dietas loucas por aí e as que são à base de sucos realmente diminui a sua ingestão calórica, mas não é algo que você conseguirá sustentar ao longo da vida. “Já foi provado que não existe nenhum suco capaz de desintoxicar o organismo, então isso é só uma ilusão. Outro ponto importante é que uma dieta de sucos ficará pobre em proteínas, fibras e gorduras”, alerta Sarina.

 

2. Tomar bebidas adoçadas artificialmente

 

Refrigerantes (mesmo aqueles que são zero), sucos de caixinha e outros tipos de bebidas industrializadas colaboram para o ganho de peso, além disso, aumentam as chances de diabetes do tipo 2, problemas de pressão e outros ainda piores, como derrames e ataques cardíaco.

 

Uma pesquisa da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, aponta que os componentes artificias presentes nessas bebidas diminuem a habilidade do corpo em processar calorias que estão presentes nos doces. “Uma pessoa que ingere muito suco de caixinha, por exemplo, pode ficar com o fígado igual ao de uma alcóolatra por causa do excesso de frutose”, comenta a especialista.

 

3. Cortar a gordura de tudo

 

Como emagrecer comendo gordura? Pode parecer óbvio querer cortar a gordura de alguém que quer perder peso , mas isso não funciona muito bem na prática. Ao optar por uma dieta com pouca ingestão de gorduras, você pode acabar aumentando seu peso. Sabrina fala que é importante focar na quantidade de calorias que ingere e também no tipo de gordura.

 

As gorduras trans e as saturadas, que são encontradas em alimentos processados, fazem mal para o corpo. Já as gorduras mono e polinsaturadas devem estar presentes nos alimentos. Outra recomendação é sempre ficar atento às quantidades, pois é comum querer comer mais quando se sabe que o alimento tem com pouco índice de gordura.

 

4. Passar fome

 

Muitas dietas apostam em cardápios com baixíssimas calorias para trazer resultados rápidos, mas vários estudos comprovam que futuramente a pessoa ganha o peso que perdeu novamente. Um bom exemplo é um estudo que acompanhou participantes do reality show “Biggest Looser” e indica que praticamente 100% das pessoas que perdem peso com essas dietas voltam a engordar.

 

Também existe disponível no mercado medicamentos que são inibidores de apetite, eles até podem funcionam por um tempo, mas certamente você cairá no efeito sanfona quando parar de tomar.

 

Segundo Sabrina, a melhor estratégia é reduzir de forma balanceada os excessos que comete. “Somente dietas acompanhadas por bons profissionais dão certo porque são baseadas em técnicas muito modernas de prevenção do efeito rebote”, diz.

 

5. Pensar em dieta o tempo todo

 

O mais indicado para quem deseja descobrir como emagrecer sem se torturar é pensar que está mudando seu estilo de vida e não fazendo uma dieta. Esse é o grande segredo para um emagrecimento saudável e permanente porque ninguém segue uma dieta a vida toda, mas os bons hábitos acompanham a pessoa em todas as etapas.

 

Se você ficar o tempo todo pensando nisso, não dará certo, já que a dieta deve ser incorporada naturalmente ao cotidiano. “Durante o processo, é preciso que sejam usadas técnicas de motivação diárias vindas de uma equipe multidisciplinar de profissionais”, sugere a especialista.

 

6. Copiar a dieta de alguém

 

Cuidado com o que você vê por aí! “Usar dietas de amigos ou de celebridades não é uma boa opção e pode trazer frustrações, já que um mesmo regime não traz resultados iguais para pessoas diferentes”, ressalta Sarina. Apostar em uma nova alimentação só vai dar certo se for considerada as características particulares da pessoa que quer emagrecer.

 

A genética, os hormônios, o metabolismo e aspectos psicológicos são fatores que devem ser considerados na hora de pensar em mudar o estilo de vida. Esses detalhes podem trazer resultados muitos diferentes, por exemplo, para pessoas da mesma idade, do mesmo sexo e com perfis semelhantes, pois uma pode exagerar na gordura e a outra nos doces, então a forma de montar a dieta será diferente.

 

“O primeiro passo é sempre pensar em uma dieta de forma individualizada, procurando ajuda profissional para que a alimentação possa atender todas as suas particularidades, conforme as metas que determinou e sem pressa”, aconselha Sabrina.

 

Manter o equilíbrio é fundamental para garantir uma vida saudável . “Isso pode significar até mesmo que, uma vez ou outra, sair da dieta faça bem, com disciplina e o apoio de um profissional que saiba te guiar para conquistar os seus objetivos sem sofrimentos”, expõe Sabrina.

 

Para muitas pessoas, comer é algo que traz muita alegria, então como emagrecer sem deixar a felicidade de lado? Seja por motivos de saúde ou para elevar a autoestima, perder peso não deve ser um sofrimento. “O emagrecimento é um processo de transformação que precisa ser conduzido pelo amor próprio”, conclui a especialista. (Com Delas - iG)

 

 

 

Qual é a importância da atividade física para o nosso dia a dia

A prática regular de determinada atividade física reduz substancialmente o risco de morrer de doença cardíaca coronária e diminui o risco de infarto, câncer de cólon, diabetes e pressão alta entre outras doenças.  

Sabe-se que pessoas de todas as idades, que estão de um modo geral inativas fisicamente, podem melhorar sua saúde e bem-estar ao praticar atividade física moderada regularmente. 

Alguns itens considerados positivos durante tal prática podem ser notados como:

Ajuda a controlar o peso corporal;

Contribui para ossos, articulações e músculos sadios;

Reduz o índice de quedas em idosos;

Ajuda a aliviar a dor da artrite, artrose;

Diminui os sintomas de ansiedade e depressão e estão associadas à menor número de hospitalizações, visitas médicas e medicação;

Proporciona maior independência e autonomia para o idoso. 

 

VEJA TAMBÉM:

Programa de Reeducação Alimentar

200 Receitas Low Carb! 

60 Doces Low carb

 

Para as pessoas inativas, que optam pela falta de atividade física, definitivamente não estão ajudando sua saúde e provavelmente a estão prejudicando. Quanto mais examinamos os riscos para a saúde associados à falta de atividade física, mais convencidos ficamos que pessoas que não praticam atividade física devem começar a se exercitar.

 

 

Como a atividade física regular pode melhorar sua saúde e reduzir os riscos de morte prematura?

  • Reduzindo o risco de desenvolver doença cardíaca coronária e as chances de morrer disso;
  • Reduzindo o risco de infarto;
  • Reduzindo o risco de ter um segundo ataque cardíaco em pessoas que já tiveram um ataque;
  • Diminuindo tanto o colesterol total quanto os triglicerídeos, e eleva o bom colesterol HDL;
  • Diminuindo o risco de desenvolver pressão alta;
  • Ajuda a reduzir a pressão arterial em pessoas que já têm hipertensão;
  • Diminuindo o risco de desenvolver diabetes tipo 2 (não dependente de insulina);
  • Reduzindo o risco de câncer de cólon; Ajudas as pessoas a conseguirem e manter um peso ideal;
  • Reduzindo os sentimentos de depressão e ansiedade;
  • Promovendo o bem-estar psicológico e reduz sentimentos de estresse;
  • Ajudando a construir e manter articulações, músculos e ossos saudáveis;
  • Ajudando pessoas idosas a ficarem mais fortes e serem mais capazes de moverem-se sem cair o ficar excessivamente cansadas.
  • Sendo assim, torna-se de grande valia a prática de qualquer atividade física que venha a somente te beneficiar.

Espero que todos vocês tenham gostado da coluna, e vamos mexer o corpo

Por ANDRESSA CARLA ALVES
Formada em Licenciatura Pela Unisep e Bacharel pela FAG. Professora de Educação Física.

 

 

Alimentos que parecem saudáveis mas não são

Muitas pessoas preferem consumir o peito de peru em vez de outros embutidos como presunto ou mortadela por achar que é uma opção mais saudável, mais light ou fit. "Prefiro peito de peru ao presunto normal porque é bem mais leve e, pelo que leio, tem menos sódio e menos gordura.

 

Na hora de comprar, também prefiro produtos integrais pois contem mais fibras, que vão ajudar na digestão. Como eu já tenho colesterol alto, sou pré-diabética e tenho hipertensão, tenho que ter muito cuidado com a alimentação", conta a auxiliar de enfermagem, Silvéstria Ferreira.


É comum que produtos ultraprocessados como o peito de peru e a bolacha integral sejam classificados como saudáveis. No geral, produtos com acréscimo de conservantes, estabilizantes, corantes, edulcorantes e aromatizantes, e também com excesso de gordura vegetal hidrogenada, açúcar e sódio, não são saudáveis, pois podem trazer consequências negativas para a saúde. O alerta é do manual Alimentação Cardioprotetora, do Ministério da Saúde, em parceria com o HCor (Hospital do Coração).

 

Alimentos que parecem saudáveis mas contém aditivos químicos

 

Na avaliação da nutricionista da ACT Promoção da Saúde, Mariana Claudino, o consumo de alimentos ultraprocessados deve ser evitado tanto por indivíduos em risco cardiovascular quanto por indivíduos saudáveis. Esses alimentos contém um número elevado de ingredientes e, sobretudo, ingredientes com nomes poucos familiares como os aditivos químicos.

 

"Carnes processadas como presunto, salsicha, salame e o próprio peito de peru contém os conservantes nitrito e nitrato de sódio. Quando há um grande consumo dessas substâncias, pode-se aumentar a formação de nitrosaminas, compostos químicos que causam reações tóxicas no organismo e podem favorecer o surgimento de câncer", explica a especialista.

 

Segundo ela, o consumo indiscriminado de aditivos químicos também pode provocar o surgimento de outras doenças. "Há estudos que relacionam o consumo de aditivos com o câncer, com doenças de Parkinson e de Alzheimer, além de resistência insulínica e hipertensão", completa.

 

Mariana alerta para os perigos associados ao consumo excessivo de glutamato monossódico, muito presente em diversos dos produtos processados. "Além de danificar as células, o excesso de glutamato monossódico está relacionado ao aumento da pressão arterial, resistência à insulina, obesidade, depressão, enxaquecas crônicas e lesões oculares", expica.

 

Já a bolacha, apesar de ser nomeada como integral, contém aditivos químicos, açúcares e gordura. A nutricionista alerta para o fato de o ingrediente farinha de trigo aparecer em primeiro lugar, antes mesmo da farinha de trigo integral – o que não justificaria ser nomeada como integral. "Além disso, o produto contém açúcar e açúcar invertido, que é uma espécie de xarope produzido a partir do açúcar, e emulsificantes, que favorecem o aumento do colesterol e a dislipidemia", ressalta a especialista.

 

Sal, açúcar e gorduras

 

O consumo excessivo de ingredientes como sal, açúcar e gorduras pode provocar efeitos desconhecidos na saúde, especialmente de indivíduos com fatores de risco cardiovascular. Mas, se usados com moderação em preparações culinárias baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados, podem tornar mais saborosa a alimentação sem que fique nutricionalmente desbalanceada.

 

A nutricionista listou 9 alimentos que parecem saudáveis, mas não são:

 

Embutidos (como presunto e peito de peru)

Biscoitos e/ou bolachas integrais

Barra de cereal

Sopa instantânea

Pão de forma light

Suco de caixinha

Chocolate diet

Pipoca para micro-ondas

Farinha láctea

A especialista reforça para sempre ler a lista de ingredientes no rótulo para saber se o alimento é ultraprocessado ou não. (Com Saúde Brasil)

 

 

 

Lavar o cabelo todo dia é prejudicial? Saiba quais cuidados ter com os fios

Cuidar dos fios é essencial para deixá-los sempre fortes, saudáveis e bonitos. Mas será que a lavagem diária pode atrapalhar? Veja dicas e não erre mais.


Pessoas que transpiram em excesso no couro cabeludo e ficam com os fios sujos com frequência entram em um conflito baseado na crença popular de que lavar o cabelo todo dia pode ser ruim para a saúde capilar – e, muitas vezes, por conta disso, deixam de lavá-lo.

 

Para desmistificar esse conceito de que lavar o cabelo todo dia é ruim, a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que, desde haja necessidade, não há nenhum problema, "principalmente para quem tem fios oleosos, trabalha em contato com poluentes ou ambientes de exposição ambiental contínua, ou pratica atividade física constante”.

 

A profissional ainda ressalta que é importante utilizar produtos de qualidade e intercalar a rotina com fórmulas mais neutras e itens compostos à base de extratos vegetais . Afinal, com cuidados básicos no dia a dia, é possível deixar as madeixas sempre lindas e brilhantes com tratamentos simples que podem ser feitos, inclusive, em casa.

 

Para quem tem fios mais longos, a dica é usar bons condicionadores, reparadores de pontas e loções do tipo leave in e sérum. Eles ajudam a evitar as agressões do dia a dia e a desidratação. “Muitas vezes, a falta da lavagem mais contínua nestes casos predispõe à dermatite seborreica com prurido (coceira), descamação e queda capilar”, detalha a médica.


Por outro lado, há quem acredite que lavar duas vezes, diariamente, é uma alternativa para eliminar ainda mais as impurezas, mas isso não é recomendável.

 

Como lavar o cabelo todo dia sem erros


No processo de lavagem é fundamental não utilizar água quente, pois ela estimula a oleosidade e resseca os cabelos.

 

“É importante aplicar o xampu apenas uma vez e o condicionador somente no comprimento dos fios, para evitar que haja ressecamento das hastes capilares. Os produtos de coloração transparente, menos viscosos, com extratos vegetais, são os mais adequados”, afirma a dermatologista.

 

Durante a lavagem, a pessoa precisa ter cuidado para não deixar restos de produtos no cabelo e, dessa forma, deixá-lo sem movimento. Portanto, a dica é enxaguar bem. Em seguida, antes de secar com o secador, deve-se aplicar um protetor térmico. A secagem é obrigatória antes de dormir. Isso porque deitar com os fios molhados é prejudicial à saúde capilar.

 

Dicas de ouro para ter os cabelos sempre bonitos


Lavar o cabelo da forma adequada é importante, mas não é apenas isso que garante fios saudáveis e brilhosos. Alguns cuidados extras são necessários já que, como explica a especialista em estética e dermocosmetologia Domenique Ferreira, as madeixas passam por uma série de agressões, como produtos químicos e poluição.

 

Dessa forma, ter um tempo para hidratá-las é muito importante. “Encontre uma máscara que serve para manter o seu cabelo nutrido e hidratado, que seja condizente com o seu tipo. Você não pode esquecer-se de usar um sérum para evitar danos e o surgimento de pontas duplas”, ressalta Domenique.

 

Além disso, quando possível, tente dar uma pausa nos aparelhos que secam , além das chapinhas. Afinal, o uso contínuo destes equipamentos causa danos - só não se esqueça de não dormir com os fios e couro cabeludo molhados. Deixe, de tempos e tempos, as madeixas secarem naturalmente, seja se você é adepto de lavar o cabelo todo dia ou menos vezes por semana. (Com Delas - iG)

 

 

 

Hashtag: |
Cura para todos os males? Toque com a língua no céu da boca e respire

O médico Andrew Weil revelou os reais benefícios para a saúde de uma técnica simples de respiração denominada de ‘4-7-8’ – que não requer tempo ou equipamento – e está incentivando ativamente para que todos os indivíduos a adotem.

 

Basta tocar com a língua no céu da boca e inspirar, sustentar a respiração por um breve momento e expirar.



O médico formado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, é o pioneiro deste exercício simples, descrevendo-o como um “tranquilizante natural para o sistema nervoso” e garante que é capaz de reduzir rapidamente a tensão.

 

“Esta atividade diminui a frequência cardíaca, a pressão arterial, melhora a digestão e trata-se de uma medida bastante eficaz contra a ansiedade, aliás muito mais benéfica do que algumas drogas tomadas para aliviar essa condição”.

 

O exercício é especialmente bom para as pessoas que têm dificuldade em dormir à noite já que ajuda o corpo a relaxar – e deve ser repetido quatro vezes e pelo menos duas vezes por dia, durante o primeiro mês.

 

 

Após se familiarizar mais com a técnica, poderá então segundo o médico aumentar para ciclos de oito respirações. Porém, Weil alerta que tal deverá ser o número máximo de repetições.

 

Para um efeito ótimo, o médico refere dá recomendações.

 

“É aconselhável que desacelere o exercício, a única coisa que o limita é por quanto tempo consegue suster a respiração, mas à medida que praticar fica mais fácil”.

 

“E após praticar por quatro a seis semanas poderá então começar a usá-lo para uma variedade de situações. Por exemplo, se alguém disser algo que o deixe irritado, experimente fazer este exercício antes de reagir”.