Pesquisadores usam leite materno contra covid-19 em imunossuprimido

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) realizaram tratamento de pessoa infectada por covid-19 utilizando leite materno de uma doadora vacinada contra o SARS-CoV-2.

O paciente tratado apresentava imunodeficiência, o que faz com que seu sistema imunológico seja incapaz de combater vírus e outros patógenos. O caso foi publicado em artigo em revista científica.

De acordo com a pediatra Maria Marluce dos Santos Vilela, professora da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp e uma das autoras do artigo, essas intervenções terapêuticas ajudam muito os pacientes que não produzem anticorpos. 

“Precisamos ampliar este estudo com mais pacientes portadores da mesma situação deste paciente para confirmar o grande benefício desta modalidade de reposição de anticorpos. Nossa impressão é que auxilia os pacientes com covid prolongada e com imunodeficiência”, disse.

A pesquisadora explicou que o fato desse paciente não produzir anticorpos nem da classe IgG - que predomina no sangue - nem da classe IgA - que predomina nas secreções do aparelho respiratório, aparelho gastrointestinal e no leite materno - o deixa muito vulnerável a ter infecções repetidas e até mesmo infecção crônica ou prolongada, como aconteceu neste caso com o vírus da covid-19. Segundo o artigo, o paciente permaneceu mais de 120 dias com o vírus ativo em seu corpo. 

“Ajudamos a eliminar o vírus SARS-CoV-2 fazendo a reposição dos anticorpos que ele não produzia, através da transfusão de plasma humano de convalescente de covid-19 [transfusão de anticorpos de pessoas já curadas] e depois oferecemos leite de mãe vacinada para covid-19, que é muito rico em IgA específico para a doença”, contou.

Primeiro foi realizada a transfusão do plasma humano, o que levou à melhora dos sintomas e à queda de marcadores inflamatórios no sangue. No entanto, exames ainda identificavam infecção por covid-19 mesmo após 15 dias. Além disso, o paciente apresentava sintomas leves.

Diante disso, a equipe decidiu fazer a experiência de reposição de IgA por meio do leite materno de uma doadora vacinada contra o SARS-CoV-2. Após o tratamento, o teste para detectar a doença deu negativo depois de uma semana, além de outros exames feitos com maiores intervalos que não detectaram mais a presença do vírus.

Com o resultado, o artigo conclui que os anticorpos secretados por IgA e IgG presentes no leite materno podem ser úteis para tratar a infecção persistente por SARS-CoV-2 em pacientes imunodeficientes.

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Fiocruz usa sequenciamento de DNA para pesquisar covid grave em jovens

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Pernambuco está usando sequenciamento genético para tentar explicar por que pessoas com menos de 60 anos sem nenhuma doença crônica desenvolveram casos graves de covid-19 que levaram inclusive à morte.

O diferencial do estudo é trabalhar com o sequenciamento completo do DNA. Os dados estão sendo analisados pela instituição.

Segundo a Fiocruz, a maior parte das pesquisas atualmente em curso sequencia apenas 2% do DNA humano. Ao todo, a Fiocruz Pernambuco realizou o sequenciamento do genoma de 207 pacientes, sendo 168 deles jovens que tiveram a covid-19 em sua forma grave precisando ser encaminhados a unidade de terapia intensiva (UTI) ou, em alguns casos, registrando o óbito. Também foi feito o sequenciamento de 39 idosos com comorbidades que tiveram a forma leve da doença, para comparação. 

O objetivo é investigar qual chave genética, molécula ou mutação no DNA pode ter levado estes pacientes à morte. Com os dados é possível saber, por exemplo, se a pessoa que sofreu mutação em determinada molécula tem maiores chances de morrer. De acordo com a Fiocruz, com essa informação, é possível desenvolver medicamentos que atuem em uma mutação específica. 

Além da Fiocruz Pernambuco, da Fiocruz Bahia e do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), o projeto envolve mais três instituições: o Hospital Português (PE) e as universidades federais da Bahia e do Vale do São Francisco.

Covid grave em jovens 

Segundo a Fiocruz, foram registrados mais casos graves e mortes devido à covid-19 entre pessoas idosas vivendo com comorbidades, como diabetes, hipertensão e obesidade. A ciência ainda não sabe explicar a razão pela qual casos graves da doença ocorreram também em pessoas saudáveis com menos de 60 anos.

As amostras de sangue usadas no estudo desenvolvido pela Fiocruz e parceiros foram coletadas de pacientes de sete estados (Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul) entre de agosto de 2020 e agosto de 2021. A maioria com idade entre 39 e 42 anos. Nenhum dos pacientes envolvidos havia tomado a vacina contra a doença.

O sequenciamento genético já foi concluído e gerou mais de 15 terabytes de dados que agora estão em análise. O material foi processado na Fiocruz Pernambuco. Ao final do estudo, os sequenciamentos serão, de acordo com a instituição, lançados em bancos de dados internacionais para acesso livre.

A pesquisa está sendo desenvolvida com recursos do edital Inova da Fiocruz e com aporte financeiro dado pela Vice-presidência de Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB) da fundação.

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Saúde lança o Programa de Qualificação do Sistema de Transplantes

O Ministério da Saúde lançou, nesta segunda-feira (6), o Programa de Qualificação do Sistema Nacional de Transplantes por meio da avaliação de critérios e indicadores, o QualiDot.

A medida visa reclassificar todos os centros transplantadores do país para aperfeiçoar os mecanismos de controle relativos aos resultados dos transplantes.

Podem aderir ao programa hospitais com atividades transplantadoras de, no mínimo, 2 anos. O QualiDot vai monitorar e avaliar os serviços de transplantes de órgãos e de medula óssea, mediante acompanhamento de indicadores quali-quantitativos e a concessão de incentivo financeiro adicional para serviços de alta performance.

De acordo com Ministério da Saúde, a novidade da ferramenta está na redefinição e criação de incentivo sobre indicadores de qualidade em doação e transplantes, passando pela estrutura e processo até chegar nos resultados. Após a reclassificação de todos os centros transplantadores. Serão investidos R$ 26 milhões no programa.

O programa inclui 34 procedimentos, além de outros que foram recentemente incluídos: pâncreas e pâncreas-rim, além de acompanhamento pré e pós-operatório de pacientes.

A classificação será renovada a cada 2 anos, mediante apresentação, pelos hospitais, das mesmas comprovações e instrumentos de avaliação atualizados por meio da respectiva Central Estadual de Transplantes e Secretaria de Saúde do Estado.

Recursos

Para a liberação do incentivo financeiro sobre indicadores de qualidade do QualiDot serão considerados, entre outros pontos, a porcentagem de doações efetivas em relação ao total de notificações de morte encefálica nos últimos 2 anos; a média do número de transplantes realizados por órgão ou célula, por estabelecimento na UF, em 24 meses; a sobrevida dos pacientes em 1 ano e 2 anos pós-transplante, dependendo da modalidade; e o tempo médio de espera em lista, em dias, para transplante de órgãos.

Sistema Nacional

Atualmente, existem no Brasil uma central nacional e 27 centrais estaduais de transplantes; 648 hospitais, 1.253 serviços e 1.664 equipes de transplantes habilitados; 78 organizações de procura por órgãos; 516 comissões intra-hospitalares de doação de órgãos e tecidos para transplantes; 52 bancos de tecido ocular; 13 câmaras técnicas nacionais; 12 bancos de multitecidos; além de 48 laboratórios de histocompatibilidade. Trata-se do maior sistema de transplantes do mundo.

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Médicos apontam desafios para implantação do teste do pezinho ampliado

Entrou em vigor nesta segunda-feira (6), no Sistema Único de Saúde (SUS), a versão ampliada do teste do pezinho, que aumenta o número de doenças que podem ser detectadas nos primeiros dias de vida da criança. Atualmente, a versão ampliada está disponível apenas na rede particular de saúde do país.

No dia de hoje, é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho, data que tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do exame. O médico geneticista Roberto Giugliani, professor do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, disse que este é um grande passo, por ampliar de seis para cerca de 60 o número de doenças que podem ser detectadas pelo teste, como já ocorre nos países mais avançados.

Giugliani disse à Agência Brasil que o teste do pezinho pode detectar precocemente doenças para as quais existe tratamento, que, entretanto, não pode ser iniciado enquanto não se tem o diagnóstico. As manifestações da doença, quando não têm diagnóstico, podem demorar algumas semanas ou meses e, quando esta já estiver instalada, pode já ser tarde para obter os melhores resultados no tratamento. A detecção precoce dá melhores benefícios ao paciente, ressaltou o professor.

Ele destacou que o número de doenças que podem se beneficiar do teste do pezinho vai aumentando, na medida em que mais exames podem ser feitos a partir das gotinhas de sangue colhidas dos recém-nascidos. E mais doenças podem ser tratadas por terapias que estão sendo desenvolvidas. “É algo muito positivo”, reforçou Giugliani. “Necessariamente, o teste tem que ganhar maior abrangência.”

A ampliação do teste ocorrerá de forma escalonada e caberá ao Ministério da Saúde estabelecer os prazos para implementação de cada etapa do processo. Na primeira etapa, está prevista a adição da toxoplasmose congênita às seis doenças hoje detectadas. Na segunda etapa, serão incluídas a galactosemia, as aminoacidopatias, os distúrbios do ciclo de ureia e os da betaoxidação de ácidos graxos.

Na terceira etapa, entram as doenças lisossômicas de depósito, que incluem as mucopolissacaridoses (MPS) e, na quarta, problemas genéticos no sistema imunológico. A quinta e última etapa incluirá a atrofia medular espinhal. Isso significa que ainda levará alguns anos até que o exame ganhe abrangência nacional no sistema público.

Desafios

Segundo Giugliani, existem dificuldades técnicas para a implementação da Lei do Teste do Pezinho Ampliado (Lei nº 14.154), publicada em 27 de maio de 2021. Ele disse que não há problema quanto à coleta da amostra de sangue, mas ressaltou que os laboratórios estaduais e municipais precisam estar capacitados em termos de equipamentos e de treinamento de pessoal para fazer o diagnóstico das doenças que serão incorporadas ao exame. “Este é um dos desafios  para implantar a ampliação do teste nacionalmente”, afirmou o médico, que destacou ainda a necessidade de protocolos muito claros do que será feito com os testes positivos, com os pacientes que necessitarão de tratamento e onde será o tratamento.

De acordo com artigo do médico Marcelo Ferraz de Oliveira Souto, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, intitulado Triagem Neonatal/Teste do Pezinho no Brasil e no Mundo, alguns estados e municípios adotaram medidas próprias para ampliar a triagem neonatal, usando o orçamento público local.

O Distrito Federal foi pioneiro na área, com a Lei Distrital nº 4.190, de 6 de agosto de 2008, que acrescentou ao exame doenças como galactosemia, toxoplasmose congênita, deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase e leucinose. Mais recentemente, foram incluídas a imunodeficiência combinada grave e doenças lisossômicas. Foram aprovadas leis semelhantes na capital de São Paulo, na Paraíba, no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais, todas sancionadas a partir de 2019, informou Souto.

Além disso, a cobertura da triagem neonatal convencional ainda não é satisfatória em muitas regiões, seja pela falta de ferramentas que compõem o sistema, seja por fatores socioeconômicos e culturais. Conforme dados do SUS, estados das regiões Norte, Sul e Nordeste têm menor percentual de recém-nascidos participantes do programa, abaixo de 40% de cobertura.

Atenção

Giugliani observou que, além de fazer o teste do pezinho nos bebês, os pais precisam ficar atentos a sinais de alerta. Nem todas as doenças genéticas apresentam sintomas antes de causar grandes e irreversíveis danos à saúde da criança, mas há indicadores que pedem avaliação mais profunda.

O geneticista chamou a atenção, em especial, para sinais de mucopolissacaridose do tipo 1 e 2, principalmente quando aparecem combinados, ao mesmo tempo, como deficiências respiratória e auditiva, aparecimento de hérnia, por exemplo. Nesse caso, é necessário buscar um médico para uma avaliação adicional. Quando os sinais surgem combinados, deve-se suspeitar de alguma doença e levar a criança ao pediatra, para que tenha o encaminhamento devido. “É sempre um benefício, em relação a detectar mais tarde.”

Estudos mostram que o resultado do tratamento de MPS é bem melhor quando começa a ser feito nos primeiros meses de vida. “Esta é a razão pela qual os MPS já foram incluídos no teste do pezinho nos Estados Unidos, pela vantagem de ter um diagnóstico precoce, porque já existe um método que vai permitir iniciar o tratamento mais cedo, com maiores benefícios”, afirmou.

A ampliação do alcance do teste do pezinho não cria casos novos, apenas apresenta o diagnóstico mais precoce, o que proporciona melhores resultados no tratamento..

Anvisa

Para Giugliani, um tratamento capaz de agir em todas as partes do corpo, incluindo o sistema nervoso, será capaz de atender a todos os pacientes e mudará o curso de muitos dos que têm mucopolissacaridoses. Esse tratamento precisa ultrapassar a barreira que separa o sangue do cérebro, algo que as medicações atuais não fazem.

O geneticista conduz estudos clínicos sobre MPS 1 e 2 no Brasil com a primeira terapia de reposição enzimática que, embora administrada no sangue, é capaz de chegar ao cérebro. Tal terapia já está aprovada no Japão e está em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Giugliani explicou que foi feita uma modificação na enzima, permitindo que esta cruze as barreiras que separam o sangue do cérebro. Assim, mesmo administrada na veia, ela chega ao cérebro. “É o mesmo tipo de tratamento de infusão na veia, com a vantagem de conseguir chegar ao cérebro. Para ter sucesso, esse tipo de tratamento deve ser adotado o mais cedo possível.”

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
Ministério da Saúde amplia quarta dose para pessoas acima de 50 anos

A partir de hoje (4), pessoas a partir de 50 anos de idade e trabalhadores da saúde de todas as idades podem tomar a segunda dose de reforço da vacina contra a covid-19 em todo Brasil. O Ministério da Saúde publicou, neste sábado, duas notas técnicas que ampliam a aplicação da quarta dose.

Anunciada na quinta-feira (2) pelo ministro Marcelo Queiroga, a medida foi oficializada hoje. A recomendação vale para quem tomou a primeira dose de reforço há pelo menos quatro meses.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que as notas técnicas consideram a necessidade de reforçar a imunização nessa faixa etária e para os trabalhadores que estão na linha de frente dos serviços de saúde, com maior risco de contaminação. As vacinas da Pfizer, Janssen e AstraZeneca podem ser usadas, independentemente da dose aplicada anteriormente.

A pasta destacou que a combinação de vacinas diferentes para a dose de reforço tem se revelado eficiente em aumentar a imunização. “Uma pesquisa feita pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, encomendada pelo Ministério da Saúde, mostrou que a combinação heteróloga para a dose de reforço, ou seja, de vacinas diferentes, é mais eficaz”.

“Os resultados mostraram ainda que a dose de reforço pode aumentar em até 100 vezes a produção de anticorpos contra a covid-19. Até agora, mais de 4,5 milhões de brasileiros tomaram a segunda dose de reforço”, ressaltou o comunicado.

Orientações

O Ministério da Saúde pediu que estados e municípios sigam as orientações da pasta para a campanha nacional de vacinação contra a covid-19. Segundo a pasta, a distribuição das doses é feita de forma equânime e proporcional em todo o país, conforme a necessidade de cada unidade federativa.

Até agora, informou o ministério, o governo federal distribuiu quase 500 milhões de doses em todo o Brasil, garantindo a proteção de 77% da população com as duas doses. Mais de 85,9 milhões de pessoas tomaram a primeira dose de reforço.

 

 

 

 

 

 

 

Por - Agência Brasil

Hashtag:
feed-image
SICREDI 02