Qualidade e rigor sanitário fazem do Paraná líder em exportação de carne halal

O Paraná é o maior exportador de proteína halal do Brasil, considerando o embarque conjunto de derivados de aves e bovinos.

A carne halal segue o método produtivo de acordo com as crenças do consumidor muçulmano. Apenas para esta população, conjunto de 22 países de maioria árabe no Oriente Médio e Norte da África, o Estado exportou US$ 618,172 milhões em carne bovina e frango halal de janeiro a setembro de 2021, segundo a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Entre as indústrias certificadas no Paraná, estão Copacol, C.Vale, Jaguafrangos, Seara, Vibra, Coopavel, BRF e Avenorte, de acordo com a Cdial Halal, uma das maiores certificadoras do Brasil.

Considerando o grande número de consumidores muçulmanos em todo o mundo – quase 2 bilhões – o Paraná tem potencial para entrar nesse mercado com ainda mais intensidade. De acordo com o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), o Estado tem 31 frigoríficos habilitados.

Depois do Paraná, o segundo colocado no ranking de exportações de proteína halal de janeiro a setembro é o Rio Grande do Sul (US$ 442,6 milhões), seguido de Santa Catarina (US$ 362 milhões). Em 2020, o Brasil exportou US$ 2,95 bilhões em proteína halal avícola e bovina, sendo US$ 1,9 bilhão em aves e outros US$ 968 milhões derivados bovinos.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destaca que o governo estadual tem trabalhado para melhorar ainda mais esse desempenho. Um dos encontros das autoridades do Estado em Dubai, durante a semana de internacionalização do Governo e de empresas paranaenses, foi com a Cdial Halal, certificadora que atua na América Latina credenciada pelos principais órgãos oficiais dos Emirados Árabes Unidos e do Golfo Pérsico.

“Estamos em tratativas para ampliar nossas vendas de alimentos para o mundo e atrair novos investimentos. A longa tradição de nossas cooperativas agrícolas, a qualidade sanitária reconhecida internacionalmente e a agenda diplomática positiva têm colaborado para manter o Paraná em patamares elevados de comercialização internacional”, disse.

“Temos cerca de 2 bilhões de consumidores muçulmanos no mundo. É preciso aproveitar esse momento em que nos livramos de dificuldades sanitárias antigas para ingressar com mais intensidade nesse mercado”, acrescentou.

Maior produtor de carne de frango no País, o Paraná se destaca também nas exportações dessa proteína. O secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Tamer Mansour, enumera uma série de características que permitiram ao Paraná o protagonismo na produção em larga escala, como clima favorável, disponibilidade de água, terras férteis, grãos cultivados nas proximidades das integrações, grande prevalência de pequenas unidades produtivas com perfil de agricultura familiar – preferido das empresas integradoras, além da infraestrutura para o escoamento.

“Tudo indica que o Paraná continuará a ter importante papel na alimentação diária dos muçulmanos do mundo”, diz Mansour.

HALAL – A certificação halal, que comprova o cumprimento dos requisitos da religião, envolve não apenas alimentos, mas também fármacos/cosméticos, turismo, vestuário, entre outros. Quanto às proteínas animais, os procedimentos diferenciados incluem aspectos como a matéria-prima, higienização, armazenagem e transporte.

 

 

 

Por - AEN

Até setembro, portos paranaenses movimentaram 44,4 milhões de toneladas de cargas

Os portos do Paraná já movimentaram 44,4 milhões de toneladas em 2021. O volume foi puxado principalmente pelas altas registradas entre os produtos de Carga Geral, em especial sentido importação, sendo 1% maior que as quase 44 milhões de toneladas contabilizadas no ano passado, também de janeiro a setembro.

 

Nos últimos nove meses, de Carga Geral foram 10,27 milhões de toneladas embarcadas e desembarcadas pelos portos de Paranaguá e Antonina. Neste ano, o volume foi 11% maior que as cerca de 9,2 milhões de toneladas movimentadas no mesmo período, em 2020.

 

No segmento estão produtos embarcados em saca (como açúcar e outros gêneros alimentícios), veículos (carros, ônibus, maquinários e peças, contabilizados em unidades), cargas em contêineres (em TEUs) e celulose.

 

Sentido exportação, entre os produtos de Carga Geral que mais cresceram na movimentação dos portos do Paraná foram o açúcar e outros gêneros ensacados (ou em big bags) – em especial no Porto de Antonina.

 

De açúcar, entre janeiro e setembro deste ano, foram 211.655 toneladas embarcadas – 189% a mais que as 73.196 toneladas registradas no período de 2020. De outros produtos, foram quase 78 mil toneladas exportadas por Antonina, neste ano – o que não foi registrado em 2020.

 

Pelo Porto de Paranaguá, ainda no segmento de Carga Geral, as exportações de celulose registraram aumento de 2%. Nos noves meses deste ano foram 545.400 toneladas embarcadas; em 2020, 534.794 toneladas.

 

Na importação houve quase 4,2 milhões de toneladas de produtos de Carga Geral desembarcados pelos portos de Paranaguá e Antonina. A alta registrada na comparação com o mesmo período de 2020 foi de 33%. De janeiro a setembro do ano passado, foram importadas 3,14 milhões de toneladas no segmento.

 

De janeiro a setembro, neste ano, 67.101 veículos foram embarcados e desembarcados pelo Porto de Paranaguá. A quantidade é 16% maior que as 57.630 unidades registradas em 2020. Na movimentação dos contêineres, nos dois sentidos, a alta registrada foi de 4%.

 

Neste ano, nos nove meses, foram 704.474 TEUs carregados e descarregados pelo Terminal de Contêineres de Paranaguá. Em 2020, no mesmo período, foram 675.808 TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).

 

OUTROS SEGMENTOS – As importações e exportações de Granéis Líquidos também aumentaram. A alta geral foi de 9%. Nos últimos noves meses, cerca de 6 milhões de toneladas foram movimentadas pelos terminais do Porto de Paranaguá. Em 2020, foram cerca de 5,5 milhões de toneladas.

 

Entre os líquidos, na exportação, destaca-se o embarque de óleos vegetais, que cresceu 15%. Neste ano foram 872.281 toneladas exportadas; em 2020, de janeiro a setembro, 758.971 toneladas. Na importação, houve alta no desembarque de metanol (33%), óleos vegetais (417%) e nos derivados de petróleo (7%).

 

SÓLIDOS – No geral, a movimentação dos graneis sólidos registrou queda de 3%. De janeiro a setembro de 2020, pouco mais de 29,1 milhões de toneladas foram movimentadas pelos dois portos paranaenses. Neste ano, foi 1 milhão a menos.

 

A queda no segmento foi motivada pela redução nos volumes de soja e milho embarcados. Ainda assim, a exportação de açúcar registrou alta de 19%, com 2,9 milhões de toneladas embarcadas neste ano, a granel, contra 2,45 milhões de toneladas em 2020.

 

Na importação, a movimentação dos fertilizantes, principal produto do segmento nesse sentido, também registrou alta, tanto por Antonina, quanto por Paranaguá. No geral, o aumento foi de 17%.

 

Em 2021, foram descarregadas quase 8,5 milhões de toneladas de janeiro a setembro. No ano passado, foram 7,2 milhões. (Com AEN)

 

 

 

Com rodadas de negócios e plataforma digital, Paraná promove missão comercial inédita em Dubai

A maior comitiva comercial paranaense dos últimos 30 anos inicia, neste domingo (10), sua missão na cidade para onde estão voltados os olhos do mundo: Dubai, nos Emirados Árabes Unidos — sede da exposição Expo Dubai 2020, inaugurada em 1º de outubro. Com o Paraná no foco do Pavilhão do Brasil entre os dias 10 e 16 deste mês, a missão Paraná Business Experience surgiu para expandir as oportunidades de negócio geradas no período.

 

Com rodadas de negócios com potenciais investidores e uma nova plataforma online que apresenta as empresas da comitiva, o Paraná espera gerar conexões e atrair investimentos e clientes internacionais. O evento é realizado pela Paraná Metrologia em parceria com a Invest Paraná, autarquia responsável pela atração de investimentos no Estado, e apoio do Sebrae e do Governo do Estado.

 

As rodadas de negócios acontecerão nos dias 11 e 12 de outubro no hotel Crowne Plaza. Lá, as empresas farão apresentações e reuniões com potenciais interessados. Entre os países que já confirmaram presença, estão Egito, Arábia Saudita, Itália e Emirados Árabes Unidos.

 

Giancarlo Rocco, diretor de Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais e Institucionais da Invest Paraná, explica que o evento foi pensado para potencializar ao máximo as oportunidades da Expo Dubai 2020, que espera 25 milhões de visitantes ao longo de seis meses – o equivalente ao público de uma Copa do Mundo por mês.

 

“Desde 2019 nós saímos do Brasil para fazer missões comerciais e levar para fora as oportunidades do Estado, eventos de um dia, chamados Paraná Day. A Business Experience é uma jornada de uma semana, em que trazemos nossas empresas para apresentar de forma fortalecida. Deixamos o palco preparado para todos se apresentarem. É o momento em que nos mostramos comercialmente para o mundo”, explica Rocco.

 

Em Dubai, Paraná quer aumentar exportações e apresentar concessões
A comitiva paranaense chegou a Dubai nesta quinta-feira (7) e já registrou novas solicitações de contato a partir de câmaras de comércio que desejam reuniões privadas com os empresários paranaenses.

 

Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná, aponta que a expectativa é receber cerca de 70 investidores. “A procura está sendo muito boa. A cereja do bolo é o agronegócio e a indústria de alimentação. Muitos estão nos procurando para falar sobre esse setor. Mas também há bastante procura na área de bem-estar, principalmente em vitaminas, medicamentos e cosméticos”, conta.

 

PLATAFORMA DE MARKETPLACE – Além das rodadas de negócios, a Invest Paraná lança durante a missão o Paraná BX Market Place, uma plataforma online em inglês que dá visibilidade a empresas e entidades paranaenses que desejam gerar novos negócios.

 

Na prática, a plataforma integra, no mesmo site, uma página personalizada para cada empresa ou órgão. Ela compila informações de contato, história, produtos e dados relevantes, além de vídeos e fotos de apresentação da marca.

 

Desenvolvida pelo Governo do Estado, a iniciativa é lançada com as mais de 50 empresas que estão presentes na missão. O site tem caráter permanente, podendo abarcar novos interessados no futuro.

 

“Criamos um marketplace no qual toda empresa vai poder subir o que ela faz e quais são seus produtos, criando uma prateleira infinita para o empreendedor. Essa plataforma nasce para a ExpoDubai, mas vai nos acompanhar sempre que estivermos fora do Paraná. É um catálogo das empresas que conhecemos”, explica Eduardo Bekin.

 

Dentro da plataforma, as empresas são categorizadas por segmento. São 14 setores contemplados: indústria, entidades governamentais, agronegócio, setor automotivo, finanças, energia, entidades e consultorias, alimentação e bebidas, tecnologia da informação e comunicação, infraestrutura, logística, imobiliária, bem-estar, e madeira, papel e celulose.

 

“O marketplace é um legado que vamos deixar para os investidores e para o Paraná”, acrescenta Bekin.

 

 

No dia 10, será realizada a cerimônia de abertura da semana do Paraná no Pavilhão do Brasil e a primeira apresentação do espetáculo de projeção mapeada que integra a programação do Estado no local.

 

Nos dias 11 e 12 acontecem as rodadas de negócios do Business Experience. Ao longo dos dias 13 e 14, estão previstas visitas a outros pavilhões da Expo Dubai, além da participação no evento internacional Global Forum Africa, que reúne investidores de diferentes países africanos.

 

 

EXPO DUBAI – A Expo Dubai 2020 é realizada entre 1º de outubro de 2021 e 31 de março de 2022, com a participação de mais de 190 países em 181 dias de evento. A edição tem como tema a frase “Conectando Mentes, Criando o Futuro”. Os países participam com pavilhões que representam suas nações, divididos em três distritos: Oportunidade, Mobilidade e Sustentabilidade.

 

O Pavilhão do Brasil, que integra a área da sustentabilidade, tem 4,4 mil metros quadrados. O Paraná é o primeiro estado a assumir o espaço brasileiro na feira, que tem como objetivo mostrar o desenvolvimento tecnológico dos países e discutir as perspectivas do futuro da sociedade.

 

O conceito da exposição paranaense é batizado de “Wow! All Around”, frase em inglês equivalente a “surpresa por toda parte” e que sugere as diversas formas de encantamento que o Estado pode proporcionar a quem o conhece.

 

Isso toma forma através de um espetáculo artístico dividido em 18 atos que englobam diferentes aspectos da história. A história começa com o descobrimento do Paraná através do Litoral, e segue de Leste a Oeste, do Porto de Paranaguá às Cataratas do Iguaçu. Assim, os atos do espetáculo destacam diversas qualidades do Estado, como sua natureza, cultura, indústria, agronegócio, indústria, logística, educação, entre outros. (Com AEN)