Com teste positivo de baterias gigantes, Copel reforça sistema contra interrupções de energia

Em um teste pioneiro, a Copel colocou um sistema com baterias de energia gigantes para abastecer as instalações da companhia no bairro Atuba, em Curitiba.

O sistema foi instalado como uma microrrede isolada e forneceu energia ao local, com sucesso, durante as duas horas que durou o teste. O objetivo é utilizar a tecnologia para atender a clientes em redes com maior demanda ou que sofram interrupção no fornecimento de energia. Agora, a companhia vai preparar a estrutura para testá-la em uma subestação da Grande Curitiba.

O sistema de armazenamento é composto por baterias de lítio (tecnologia semelhante à usada em smartphones e carros elétricos), um conversor de energia, um transformador para elevar a tensão elétrica e, ainda, dispositivos de conexão e proteção. A estação de armazenamento está instalada em duas carretas que podem ser transportadas para atender a população em qualquer localidade. O conjunto pesa 50 toneladas.

A estação tem 1 MW (megawatt) de potência, com capacidade de armazenamento superior a 1 MWh (megawatt-hora) de energia. Sozinha, ela consegue abastecer 200 famílias por cerca de um dia sem necessidade de carregamento. Conectada à rede, sua principal contribuição será reforçar o sistema em momentos de maior demanda ou garantir o fornecimento em caso de desligamentos. À noite, quando a demanda diminui, as baterias podem ser recarregadas com a energia da rede.

A solução abre caminho para garantir fornecimento de energia em situações como temporais, batidas de carros em postes e outros fatores externos que provocam desligamentos. Para o consumidor, isso significa contar com energia elétrica de qualidade quando ele mais precisa.

“Essa iniciativa representa um marco histórico e evidencia o potencial disruptivo dos sistemas de armazenamento de energia e das microrredes. É um avanço que não só demonstra o compromisso da Copel com a inovação, mas também impulsiona o caminho em direção a um futuro mais resiliente e sustentável no setor energético”, avalia o engenheiro da área de projetos especiais da Copel, Rodrigo Braun dos Santos.

FUTURO DO ARMAZENAMENTO – A iniciativa faz parte de um projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D Aneel) para testar o funcionamento de quatro sistemas de armazenamento de grande porte em diferentes regiões do Estado. Ao todo, a companhia está investindo R$ 34,6 milhões nas soluções.

Além das baterias transportáveis, o montante inclui a instalação de outros três sistemas de armazenamento. Cada um conta com uma aplicação distinta que permite à Copel analisar seu uso em um cenário diferente.

Em Ipiranga, nos Campos Gerais, a empresa instalou dois sistemas de armazenamento na subestação do município. Cada um é formado por baterias de um modelo distinto. Um deles contém baterias de lítio, mesmo modelo das testadas em Curitiba. Ele possui 250 kW de capacidade e 1.505 kWh de energia armazenada, o que significa que consegue fornecer energia a 240 consumidores residenciais por um dia.

O outro sistema emprega baterias de fluxo, tecnologia que armazena energia em líquido e têm vida útil mais extensa, de cerca de 20 anos. Por sua durabilidade, pode ser uma solução mais eficiente para estações de armazenamento fixas, como a desse teste. Este segundo sistema em Ipiranga conta com 250 kW de potência e 1.200 kWh de energia armazenada e tem capacidade de fornecimento semelhante ao outro.

No distrito de Faxinal do Céu, em Pinhão, no Centro-Sul do Estado, um conjunto de baterias com 250 kW de capacidade e 860 kWh de energia armazenada foi instalado junto a uma usina de geração solar fotovoltaica de 200 kWp (kilowatt-pico), unidade de potência que mede a capacidade máxima de geração dos painéis solares.

Um dos objetivos é avaliar o funcionamento das baterias em conjunto com um sistema de geração, permitindo a possibilidade de auxiliar a rede da Copel e a até operar de forma isolada. O local conta com a rede inteligente da Copel, o que permite que todo o funcionamento seja monitorado por equipamentos automatizados, facilitando o controle e a gestão da qualidade do fornecimento de energia.

SOLUÇÃO SUSTENTÁVEL – Na Ilha das Cobras, no Litoral do Paraná, foi instalado outro sistema de armazenamento, com 75 kW de potência e 430 kWh de energia armazenada. Conectada a uma usina solar fotovoltaica com 71 painéis e 31 kWp de potência, a estrutura foi escolhida por ser a solução mais sustentável para garantir o fornecimento de energia a uma escola de gastronomia e hotelaria que o Governo do Estado colocará em funcionamento no local. As baterias garantem a disponibilidade de energia mesmo em dias chuvosos, quando não há produção de energia solar.

“Estamos testando diferentes tecnologias, em ambientes variados, com o objetivo de melhorar a qualidade do fornecimento de energia à população”, afirma Júlio Omori, superintendente de Projetos Especiais da Copel. “Os sistemas de armazenamento são promissores porque poderemos diminuir o desperdício de energia e garantir abastecimento em situações críticas, especialmente diante dos desafios colocados pela transição energética e pelo aumento da demanda por energia limpa”.

 

 

 

 

 

Por - AEN

 De limpeza de escola a salvamento de animais: a rotina solidária da equipe do IAT no RS

Mesmo que lentamente, a água começa a baixar em alguns pontos do Rio Grande do Sul. A lama, porém, fica como cicatriz da intensidade das chuvas.

Foi o que aconteceu com a Escola Estadual de Ensino Médio General Souza Doca, na pequena Muçum, cidade a 152 quilômetros de Porto Alegre. Nesta quarta-feira (15), dois caminhões-pipa cedidos pelo Instituto Água e Terra (IAT) passaram o dia limpando o colégio do barro que impregnou paredes, carteiras e quadros-negros.

Essa foi a primeira grande ação de limpeza urbana organizada pela força-tarefa do órgão ambiental em solo gaúcho. O comboio de ajuda às vítimas das enchentes conta com 22 técnicos, 11 caminhões-pipa, sete caminhonetes 4x4 e cinco embarcações. Vai ficar pelo menos até 22 de maio ajudando a população de cidades como Santa Cruz do Sul, Canoas, Porto Alegre, Muçum, Lajeado, Sinimbu e Rio Pardo, arrasadas pelos efeitos de um dos mais intensos desastres climáticos do País. O IAT é vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest).

“É o que precisamos, deste apoio do IAT na limpeza urbana, para que Muçum possa ficar mais próxima do normal”, afirma Mateus Trojan, prefeito do município gaúcho de 4,6 mil habitantes.

A atuação do grupo voluntário, contudo, não se restringe a tentar devolver o mínimo de funcionalidade aos municípios, muitos deles devastados. Há animais perdidos, se esquivando da água escura como podem. Idosos que precisam de atendimento, postos de saúde fechados. Além das escolas, creches atoladas na lama. O cenário é de terra arrasada.

“Cada cena corta o coração. Ver idosos fazendo fila para encher uma garrafa com dois litros de água é algo que não imaginava”, conta Jonas André Bankersen, chefe do escritório de Irati do IAT e também coordenador da força-tarefa em solo gaúcho. “Mas tudo tem valido muito a pena. Ajuda o outro vale a pena”.

Parte do trabalho, como a distribuição de donativos, medicamentos e o resgate de pessoas e animais, é feito com apoio de cinco embarcações que passam o dia cortando as águas contaminadas em busca de um grito de socorro.

“É algo muito diferente de tudo que já tinha visto. Queda de barreira, lama e muita chuva. Buscamos ajudar naquilo que é mais necessário para o momento, seja distribuindo cestas básicas para aquelas pessoas que não querem deixar suas casas ou resgatando animais e pessoas, com o apoio das nossas embarcações”, afirma o chefe regional do IAT de União da Vitória, Augusto Arruda Lindner, um dos coordenadores da missão paranaense.

Lindner é engenheiro florestal e tem experiência em operações de salvamento. No fim do ano passado, atuou por 45 dias na operação de apoio aos desalojados pelas tempestades que castigaram o Sul do Paraná. Ainda assim, ele se emocionou. Por volta do meio-dia desta quarta-feira (15), ele já havia perdido o número de cães e gatos que ajudou a retirar de casas ilhadas. “É assustador”, diz.

As buscas são incansáveis. Ainda há cachorros, gatos e até galinhas precisando de ajuda, subindo em telhados, como o cavalo Caramelo, no esforço para preservar a vida.

“Mesmo com barcos temos dificuldades para chegar a determinados locais porque há muitos fios de postes caídos. E, quando chegamos perto, percebemos como os bichos estão assustados”, completa a engenheira agrônoma do núcleo de Patrimônio Natural do IAT, Jessica Viatroski, que precisou tomar vacina antirrábica depois de ser mordida por um dos cães que ajudou a salvar.

 

iat
Profissionais do IAT ajudando em resgate de galinhas no Rio Grande do Sul. Foto: IAT


CAMINHÕES – Os caminhões-pipa integram o projeto Patrulha Ambiental, inciativa da Sedest executada pelo IAT. Desde 2019, foram entregues aos municípios 733 veículos, incluindo também caminhões-baú, compactadores, modelos limpa-fossas, e poliguindastes, totalizando um investimento de R$ 206,8 milhões.

CAMPANHA SOS RS – Em pouco mais de uma semana de arrecadações, a campanha SOS RS, do Governo do Paraná, já reuniu 6,5 mil toneladas de ajuda humanitária para as vítimas das chuvas no Rio Grande do Sul. O volume total de donativos contabiliza alimentos, água potável, roupas e produtos de higiene e limpeza doados em todas as cidades paranaenses até esta terça-feira (14). Apenas o Instituto Água e Terra recebeu 10 toneladas de doações.

Mais de 300 caminhões já foram encaminhados ao Rio Grande do Sul. As entregas ocorrem de forma constante e saem a partir de centros de distribuição em Curitiba e cidades do Interior. Elas estão recebendo escoltas especiais da Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar e guardas municipais. A campanha segue até o dia 22 de maio. As entregas podem ser feitas em unidades do Corpo de Bombeiros e da Polícia Civil, sedes do Instituto Água e Terra e espaços da Secretaria da Cultura.

O Paraná também tem prestado apoio às cidades gaúchas com o envio de forças de segurança e equipamentos. Já foram enviados bombeiros para trabalhar nos resgates, policiais militares para ajudar a coibir roubos e saques nos locais mais afetados, policiais civis para apoiar as autoridades locais e profissionais da Polícia Científica.

O Governo do Estado enviou também caminhões para desobstrução de rodovias, caminhões-tanque, viaturas, embarcações e helicópteros, que estão sendo usados em diversas frentes de trabalho, além de bolsas de sangue, medicamentos, profissionais de outras áreas e técnicos da Defesa Civil.

 

 

 

 

Por - AEN

 Com 104 agentes e muita tecnologia, forças de segurança do PR seguem apoiando o RS

As forças de segurança do Paraná têm feito a diferença no atendimento às vítimas das enchentes e na manutenção da ordem no Rio Grande do Sul.

Primeira unidade da Federação a enviar apoio ao estado vizinho logo após o início da tragédia ambiental, o Paraná está com um contingente de 104 agentes de segurança em solo gaúcho. São 37 bombeiros, 28 policiais militares, 35 policiais civis e quatro técnicos de perícia da Polícia Científica. 

Esse efetivo realizou até terça-feira (14) 1.030 resgates de pessoas e 461 de animais. A grande maioria desse trabalho foi executado pelo Corpo de Bombeiros, mas tanto a Polícia Militar quanto a Civil também prestam esse apoio quando necessário. A PM e a PCPR estão focadas na manutenção da ordem pública no Rio Grande do Sul, com patrulhamento nas ruas e nos abrigos (são 70 mil desabrigados), bem como apoio nas investigações de crimes. Já a Polícia Científica vem ajudando as autoridades gaúchas na remoção e identificação de cadáveres.

O Paraná também enviou três helicópteros para auxiliar nas buscas – um do Corpo de Bombeiros, um da Polícia Militar e um da Polícia Civil. E eles têm feito diferença no Rio Grande do Sul. Uma das aeronaves é o Falcão 12 do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA). O helicóptero conta com câmera termal, que mescla imagens normais com projeções de calor, capaz de identificar possíveis vítimas mesmo no escuro. A aeronave também tem deslocamento rápido, o que facilita o acesso a locais críticos.

Outra tecnologia do Falcão 12 é um sistema que permite identificar alvos a 4,5 quilômetros de distância. O sistema permite inclusive a identificação de placas de veículos e até mesmo monitoramente de residências. A aeronave ainda possui farol de busca de longo alcance e alto-falante, além de um sistema que permite a comunicação com outras unidades policiais. É uma das mais tecnológicas em apoio às operações no estado.

Já a aeronave que presta apoio aos salvamentos do Corpo de Bombeiros realizou 151 resgates nos cinco primeiros dias de operação – média de 30,2 ocorrências diárias.

CORPO DE BOMBEIROS – Primeira das forças paranaenses a chegar ao Rio Grande do Sul, o Corpo de Bombeiros do Paraná já fez mais de mil salvamentos. No total, foram 1.016 pessoas resgatadas e 457 animais salvos pela corporação desde 2 de maio. Além dos resgates, os bombeiros paranaenses fizeram transporte de medicamentos, de profissionais (médicos e militares) e ações de ajuda humanitária, levando água, alimentos, produtos de limpeza e higiene a quem precisa.

A segunda equipe enviada ao Rio Grande do Sul tem 37 bombeiros – três a mais do que na primeira leva. A corporação atua com 11 viaturas e 6 embarcações. Agora a demanda por resgates reduziu após o momento mais crítico da tragédia ambiental, quando a primeira equipe atendeu diversas ocorrências em sequência, muitas delas graves, como de pessoas penduradas em árvores à espera de socorro.

Mesmo com a queda de ocorrências, aponta o coronel Manoel Vasco de Figueiredo Junior, comandante do Corpo de Bombeiros, a situação segue preocupante. Além de a água não baixar, muita gente ainda precisa de ajuda humanitária. Além disso, os bombeiros estão tendo de retirar pessoas de suas casas novamente, já que elas retornaram após serem resgatadas na primeira leva. A criminalidade também prejudica o trabalho dos socorristas, que muitas vezes precisam de apoio da polícia para fazer resgates e transporte de mantimentos.

“Inicialmente, atuamos em várias cidades, de acordo com a necessidade mais urgente. Atualmente, estamos estabelecidos na cidade de Canoas, que está dividida em cinco equipes de atuação – a nossa e mais quatro –, cada uma responsável por um quadrante. Nesse espaço, fazemos todas as operações de resgate, remoção de pessoas e ajuda humanitária que se faça necessária”, explica Vasco.

POLÍCIA MILITAR – A Polícia Militar do Paraná está desde 8 de maio patrulhando diariamente as ruas de Porto Alegre para conter a onda de crimes que tomou conta da capital gaúcha na catástrofe das chuvas. A corporação está com 28 policiais no Rio Grande do Sul: 12 das Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), 12 do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e quatro do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). As equipes da PM atuam com oito viaturas e uma embarcação.

Enviados para auxiliar na segurança pública, os policiais militares do Paraná realizaram o resgate de 21 pessoas e quatro animais.

O tenente da Rone Bruno Carassai, que participa da missão, explica que o cenário segue grave no Rio Grande do Sul, com casos de assaltos, furtos, saques e até abusos sexuais. “O crime que mais vem demandando trabalho das nossas equipes são os saques em residências e assaltos a voluntários. É um absurdo ver gente que perdeu tudo ainda ser vítima de quem se aproveita desse momento de dificuldade”, lamenta o tenente

Além das patrulhas nas ruas e nos abrigos, os PMs do Paraná também estão tendo de acompanhar os voluntários nas ações solidárias. Isso porque muitos estão sendo assaltados quando vão entregar mantimentos às vítimas. Já no segundo dia de missão, a equipe prendeu um indivíduo que estava assaltando os voluntários.

Por outro lado, o tenente Carassai diz que a onda de solidariedade motiva as equipes a ajudar o povo gaúcho. “Por onde passamos, as pessoas veem que a gente é de fora e agradece. Recebemos também muito apoio dos voluntários, que muitas vezes nos fornecem nossa alimentação”, enfatiza.

SESP
Forças paranaenses estão ajudando na proteção dos abrigos. Foto: PCPR


POLÍCIA CIVIL – A Polícia Civil do Paraná vem prestando apoio à corporação irmã gaúcha na crise das enchentes. São 35 policiais civis paranaenses reforçando a segurança no Rio Grande do Sul – 30 deles em terra, de diversas divisões, e cinco da equipe aérea da corporação, que atua com um helicóptero. De domingo (12) até terça-feira (14), a PCPR atendeu 16 ocorrências de apoio à Polícia Civil gaúcha.

Mas é na segurança dos abrigos que a Polícia Civil mais vem colaborando na tragédia gaúcha. Em apenas três dias, os policiais civis paranaenses fizeram 64 rondas nos abrigos das vítimas das enchentes em Porto Alegre e cidades vizinhas. O objetivo é evitar crimes como furtos, assaltos, violência doméstica e até os casos de abusos contra mulheres.

Já os policiais dos grupos de elite da Polícia Civil – agentes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) – estão focados em ocorrências mais sensíveis, como no patrulhamento de regiões mais perigosas onde atuam facções criminosas.

Coordenador da operação, o delegado Ivo Viana, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), explica que apesar da queda de ocorrências, a situação nos abrigos preocupa. “Temos que fazer monitoramento constante porque é um grande volume de pessoas no mesmo espaço. Isso envolve famílias inteiras, crianças, que por mais que tenha uma organização nesses abrigos, essas pessoas estão dentro do caos”, diz o delegado. “O fato de estamos nos abrigos traz tranquilidade a quem é do bem e inibe quem pensa em cometer crimes”.

Viana também diz que pelo fato de a água ter baixado um pouco, muitas pessoas já estão retornando para suas casas, o que preocupa não só pela movimentação de pessoas, mas também pelo risco de que a água volte a subir com a previsão de mais chuva. “Estamos monitorando isso porque muita gente está se antecipando em voltar para casa neste momento”, afirma o delegado, que é gaúcho de Santa Maria. “É um grande orgulho poder ajudar os meus conterrâneos atuando pela Polícia Civil do Paraná".

POLÍCIA CIENTÍFICA – A primeira equipe da Polícia Científica do Paraná retorna nesta quinta-feira (16) do Rio Grande do Sul. Após dez dias, a equipe será rendida por outra também com quatro peritos. Nos oito primeiros dias de apoio ao Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP-RS), a Polícia Científica paranaense ajudou a recolher 12 corpos de vítimas das enchentes. A maioria desses corpos foi identificada por exames de papiloscopia, porém alguns tiveram que passar por exames de DNA.

“Estamos o dia todo de prontidão no 15º Batalhão da Brigada Militar. Assim que somos acionados, vamos ao ponto para onde os corpos estão sendo levados, recolhemos e encaminhamos ao Departamento de Medicina Legal do Rio Grande do Sul”, explica o técnico em perícia oficial Fernando Anselmo Nunes.

Nunes afirma que como a água está alta a demanda ainda não está muito grande, o que é um componente adicional da tragédia humanitária. Assim que a água baixar, acredita o técnico, o trabalho vai aumentar. “Quando a água baixar o cenário deve mudar para pior, conforme as próprias autoridades gaúchas acreditam. Devem começar a aparecer corpos inclusive nas residências”, disse Nunes.

A Polícia Científica também enviou ao Rio Grande do Sul um caminhão refrigerado e um drone com câmara térmica.

 

 

 

 

 

Por - AEN

Audiência Pública vai debater impacto do envelhecimento da população nas políticas públicas

A Assembleia Legislativa do Paraná realiza nesta quinta-feira (15/04), a audiência pública “Longevidade e Desafios para as Políticas Públicas”.

A iniciativa da deputada Márcia Huçulak (PSD), que é líder do Bloco da Saúde, vai debater, analisar e propor soluções para o envelhecimento da população.

De acordo com o mais recente Censo do IBGE (2022), o número de pessoas com 65 anos ou mais chegou a 10,9% da população no Brasil – ou 22,2 milhões de um total de 203,1 milhões de pessoas. É o maior porcentual desde que o Censo começou a ser feito, em 1872, e um crescimento de 57,4% em relação ao levantamento de 2010.

No Paraná, são 1,2 milhão de pessoas – ou 11,3% em uma população total de 11,4 milhões.

“É muito bem-vindo o fato de as pessoas estarem vivendo mais”, diz Márcia. “Mas precisamos garantir bem-estar, qualidade nos vários serviços e dignidade para este nicho da população, o que exige ajustes nas políticas públicas já existentes e também novas políticas.”

O aumento da longevidade afeta o país em várias áreas, como os sistemas de saúde e educação e a previdência social. A transição também acelera o fim do chamado bônus demográfico, que é o aumento da renda per capita em decorrência da redução dos grupos etários economicamente ativos.

Temas que serão abordados na audiência:

  • Demografia em mudança, sobre as tendências nas relacionadas ao envelhecimento da população;
  • Saúde e bem-estar, abordando as necessidades físicas e mentais dos idosos;
  • Urbanismo inclusivo e moradia, tratando de acessibilidade, mobilidade e espaços adequados;
  • Envelhecimento ativo, tecnologia e inovação, trazendo as possibilidades de melhoria na qualidade de vida;
  • Inclusão e combate à discriminação, sobre estratégias contra preconceito e a discriminação.

Entre os especialistas nos vários setores abordados, estarão presentes: José Augusto Callado Afonso (presidente do Ipardes), Julio Takeshi Suzuki Jr. (diretor de pesquisa do Ipardes), Marcos Cabrera (presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, seção PR), Ivete Berkembrock (coordenadora de pessoa idosa da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba), Célia Regina Bim (diretora de projetos do Ippuc) e Larissa Marsolik (coordenadora de políticas para pessoa idosa da secretaria de Estado da Mulher, Igualdade Racial e Pessoa Idosa).

Serviço

LONGEVIDADE E DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

Audiência pública

  • Proponente: Deputada Márcia Huçulak
  • 16 de maio de 2024, quinta-feira
  • 9 horas
  • Sala da Comissão de Constituição e Justiça/Auditório Legislativo da Alep.

 

 

 

 

 

 

Por - Alep

feed-image
SICREDI 02