Melatonina tópica estimula crescimento capilar

A melatonina tópica, novidade da Pharmapeleuma novidade no tratamento capilar antiqueda, que estimula o crescimento e melhora a densidade dos fios.

 

“O ativo é inovador e apresenta mecanismos de ação complementares para atuar contra o envelhecimento capilar e combater a queda de forma geral”, explica a farmacêutica Luisa Saldanha, diretora da rede de farmácia de manipulação, com sede no Recife (PE). O ativo está disponível nas franquias da marca em todo o Brasil.



Segundo a médica Dermatopatologista Dra. Patricia Cruz, Mestre pela Universidade do Porto (Portugal) e com Master em Tricologia Pela Universidade da Catânia (Itália), a molécula de melatonina é muito interessante no campo tricológico pela sua gama de efeitos benéficos no tratamento contra a queda capilar.

 

“A substância impulsiona o bom andamento da multiplicação das células germinativas do bulbo, confere maior resistência ao estresse oxidativo, seja por estressores externos ou internos e tem ação antagonista contra a DHT (di-hidrotestosterona), hormônio que é ligado à queda capilar”, explica a médica.

 

 

“O ingrediente figura também como droga de escolha para auxiliar no tratamento da alopecia e eflúvios telogênicos em pacientes de todas as idades e com praticamente todas as condições de sensibilidade cutânea”, acrescenta. Nenhum efeito adverso é relatado em literatura científica. “O uso dessa substância ainda melhora a resistência das células epidérmicas e dérmicas contra o dano causado pela radiação, tendo efeito fotoprotetor e antiaging cutâneo.”

 

A melatonina tópica trata o estágio inicial da alopécia androgenética, causa mais comum da perda dos cabelos em homens e mulheres. “A prevalência do problema é de 12% em homens entre 18 e 29 anos, sendo que na faixa de 40 a 49 anos metade deles sofre com a queda capilar. Já nas mulheres, afeta 17% entre 30 e 39 anos, e 25% entre 50 e 69 anos (pós-menopausa)”, conta Luisa.

 

Mecanismos de ação — A médica Dra. Patricia ainda ressalta que estrutura química da melatonina tem alta afinidade tanto pela água, como pelos lipídeos das membranas celulares, o que garante penetração até o interior das células, onde apresenta um importante papel protegendo os componentes intracelulares do dano oxidativo. “O ingrediente induz a reparação do DNA e protege contra agressores oxidativos”, comenta.

 

A pele tem receptores de melatonina e a aplicação tópica atua com importante papel na regulação do ciclo capilar por inibir a morte de queratinócitos — células responsáveis por produzir queratina, proteína que compõe o fio de cabelo.

 

“A melatonina atua durante todo o ciclo capilar, prolongando as fases anágena (de crescimento) e catágena (de regressão)”, explica a farmacêutica. Além disso, a melatonina tópica também age mediada por receptores andrógenos e estrógenos, hormônios fundamentais no controle do crescimento capilar.

 

“Quando atinge a raiz do cabelo, a testosterona sofre a ação de uma enzima que, consequentemente, reduz a velocidade de multiplicação das células e também provoca a sua morte. O resultado disso é um cabelo mais fino e com lento crescimento”, explica a farmacêutica.

 

“A melatonina atua como antagonista da di-hidrotestosterona (DHT), deslocando esse hormônio de seu receptor. Então, a melatonina impede a reação que causa a queda de cabelo”, acrescenta Luisa.

 

Principais tratamentos — Problema das mais variadas origens, a queda do cabelo deve ser tratada essencialmente de acordo com a causa do problema. “Podemos prescrever desde loções e shampoos anti-inflamatórios a medicação oral para diminuir a oxidação ao redor do folículo piloso ou simplesmente para suprir carência nutricional; ou até mesmo tratamentos com injeção de substâncias direto na derme do couro cabeludo, uso de laser de baixa frequência, uso de LEDs e realização de procedimentos como microagulhamento, podendo ser seguido de drug delivery”, explica a médica.

 

Outra vantagem da melatonina é que ela tem boa capacidade de adaptação aos mais diversos ambientes e veículos, podendo ser amplamente associada com as mais diversas moléculas (como Minoxidil, Ginkgo Biloba, Green Tea e Biotina) e terapias, inclusive com LED vermelho.

 

Modo de usar — O produto pode ser utilizado no cabelo, na barba e na sobrancelha. A farmacêutica diz que a solução tópica capilar pode ser manipulada em shampoos e loções, sugerindo uma fórmula para lavar o cabelo (Melatonina 0,1% em associação a 1% de PCA Zn e 0,5% de D-Pantenol) e uma de tratamento (0,1% de melatonina em associação a 5% de Minoxidil, 5% de Ginkgo Biloba e 0,1% de biotina). O shampoo deve ser aplicado no couro cabeludo com movimentos circulares, deixar agir por um minuto e enxaguar em seguida. Já a loção capilar deve ser usada uma vez ao dia, à noite, após higienização do couro cabeludo. “É necessário remover no dia seguinte”, conta.

 

Para barba e sobrancelha, a farmacêutica indica séruns (0,1% de melatonina em associação a 5% de Minoxidil, 5% de Ginkgo Biloba e 0,1% de biotina) que devem ser aplicados uma vez por dia, à noite, após higienização.

 

Resultados — Estudo clínico realizado com 35 homens, com idade entre 18 e 40 anos, portadores de alopecia androgenética, usaram solução capilar com melatonina, aplica uma vez ao dia, à noite, durante seis meses. Por meio de um equipamento que avalia a contagem, densidade, proporção da fase anágena e telógena e diâmetro capilar, o estudo concluiu que: houve aumento da contagem capilar (29,2% após três meses e 42,7% após seis meses) e da densidade capilar (aumento de 29,1% em três meses e 40,9% em seis meses.

 

 

 

2 tratamentos caseiros para você acabar com as estrias

Estrias são consequências de um estiramento excessivo da pele. Elas são marcas causadas pelo rompimento da pele em determinada área em que tenha sido muito "esticada".



A dermatologista Daniela Hueb explicou que isso acontece porque "com o aumento de peso, as células da epiderme não têm tempo de se duplicar na proporção que as novas células de gordura exigem".

 

Mas não só o ganho de peso pode fazer surgirem as estrias. O ganho de músculos também podem contribuir para o surgimentos delas, caso os músculos apareçam rapidamente.

 

Uma pele ressecada ou muito exposta aos raios solares também pode favorecer o aparecimento de estrias, já que o sol enfraquece as fibras da pele.

 

 

Tratamentos profissionais

 

Atualmente há diversos tratamentos disponíveis para amenizar as marcas de estrias na pele. Laser, luz pulsada e peeling são apenas alguns exemplos do que a medicina pode fazer por você. Nenhum deles, porém, deve ser iniciado sem a orientação de um profissional.

 

Tratamentos caseiros

 

1 - Tratamento caseiro para estrias com cosméticos

 

A combinação entre cremes hidratantes e vitaminas para a pele é bastante eficaz no combate às estrias. Após misturar os ingredientes abaixo, armazene-os em um pote limpo com tampa e mantenha-o na geladeira, utilizando a mistura todos os dias, em todas as áreas da pele afetadas pelas estrias.

 

1 ampola de Arovit (vitamina A)
1 lata de creme Nívea (aquele da latinha azul)
1 tubo de Hipoglós
1 vidro de óleo de amêndoas

 

2 - Tratamento caseiro para estrias com máscara de azeite

6 cápsulas de vitamina E
Quase meia xícara de azeite
1/4 de xícara de aloe vera em gel
4 cápsulas de vitamina A
Bata tudo no liquidificador e mantenha a pasta na geladeira. Aplique diariamente sobre as áreas afetadas. Esse tratamento é mais indicado para as estrias que ainda estão vermelhas e, portanto, não são definitivas.

 

Estrias vermelhas e escuras

 

Como qualquer tratamento para estrias apresenta resultados progressivos e não imediatos, algumas pessoas podem sentir a necessidade de disfarçar as estrias enquanto aguardam que os tratamentos façam efeito.

 

 

 

Hashtag: ||
Cabelo fino? Conheça a máscara capilar que fará ele engrossar

Os cabelos muito finos são às vezes motivo de dor de cabeça para as mulheres.



Feita à base de gelatina, essa receita é recomendada para quem está sentindo que seu cabelo fica cada dia mais ralo e gostaria de tentar engrossar os fios.

 

Uma receita compartilhada pela youtuber Julia Doorman, promete de forma caseira, engrossar os fios e ainda hidratá-los. Anote os ingredientes!

 

 

INGREDIENTES

 

1 colher de chá de óleo de abacate ou babosa
1 colher de sopa de gelatina incolor
100 ml de água
1 colher de sopa de máscara reconstrutora
Dica: se você tem cabelo seco, pode aplicar a máscara até próximo da raiz; se o seu cabelo for mais oleoso, aplique apenas no comprimento.

 

MODO DE FAZER

 

- Prenda os cabelos em um coque, coloque uma touca térmica e aguarde 15 minutos
- Adicione a colher de chá de óleo vegetal e mexa até incorporá-lo à mistura
- Hidrate a gelatina com a água e aqueça no micro-ondas por 40 segundos
- Adicione a máscara reconstrutora e misture bem
- Com os cabelos lavados apenas com shampoo, aplique a máscara mecha por mecha, massageando bem
- Enxágue com água e condicione se necessário

 

 

 

Deficiência de zinco pode afetar a fertilidade feminina

Para nosso organismo funcionar bem precisamos de diversos nutrientes, como vitaminas e minerais.

 

Isso quase todo mundo já ouviu falar.

 

A novidade é que a deficiência de zinco parece afetar os estágios iniciais de desenvolvimento do óvulo, reduzindo a sua capacidade de divisão celular para ser fertilizado. Essa foi a conclusão de uma pesquisa feita pela Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, que acaba de ser publicada.

 



Há alguns anos, os pesquisadores começaram a estudar a disponibilidade de micronutrientes no ambiente ovariano e a sua influência no desenvolvimento, viabilidade e qualidade de oócitos (cada uma das células que por meio de divisões celulares dão origem ao óvulo).

 

“Mensalmente, vários oócitos amadurecem, mas somente um óvulo é liberado para ser fecundado. Entretanto, para que esse processo ocorra são necessários diversos fatores, entre eles certos níveis de micronutrientes específicos, como o zinco”, explica o ginecologista e cirurgião ginecológico, Dr. Edvaldo Cavalcante. Ao longo dos anos, surgiram evidências de que o zinco é um elemento-chave no desenvolvimento de oócitos, segundo os autores da pesquisa.

 

No estudo, a deficiência do zinco prejudicou a capacidade do oócito em se dividir adequadamente (meiose), um passo necessário antes que uma fertilização bem-sucedida possa ocorrer. Ainda de acordo com os pesquisadores, o estudo mostrou que o zinco desempenha um papel no crescimento do oócito numa fase mais precoce do que investigado anteriormente, durante o desenvolvimento e antes da divisão.

 

Infertilidade

 

A infertilidade afeta cerca de 10 a 15% dos casais e está ligada a uma ampla gama de fatores. Na mulher, a infertilidade pode estar associada à endometriose, miomas, obstrução das tubas uterinas, síndrome do ovário policístico, entre outros.

 

Zinco

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 17% da população global é vulnerável à deficiência de zinco em sua dieta. Pessoas com síndrome do intestino irritável, doença de Crohn e outros distúrbios gastrintestinais, assim como vegetarianos e veganos têm um risco maior de apresentar deficiência de zinco segundo a entidade. Este grupo, portanto, teria a recomendação de tomar o zinco em forma de suplementação.

 

 

 

Casos de malária devem crescer 50% no Brasil este ano

Projeção feita pelo pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz Cláudio Maierovitch aponta que o Brasil poderá ter um aumento de 50% nos casos de malária neste ano.

 

Até março, o País registrou 50 mil infecções. Pelos cálculos do pesquisador, com base nos dados de janeiro e fevereiro, até o fim do ano os registros poderão chegar a 293 mil. O avanço esperado é de proporção semelhante à que foi identificada em 2017.



Depois de seis anos de queda, a malária voltou a aumentar no País no ano passado e a preocupar autoridades sanitárias e especialistas. "Estávamos em ritmo de declínio muito significativo. Mas a doença perdeu prestígio político, as ações de prevenção foram deixadas de lado e os casos voltaram a aumentar", afirmou o professor da Universidade de Brasília (UnB) Pedro Tauil. Em 2017, foram notificados no País 193 mil casos, 50% a mais do que o registrado no ano anterior.

 

 

Diante do aumento de casos, um comitê assessor decidiu na semana passada preparar uma carta de alerta para o governo brasileiro. "O programa perdeu prioridade para outras doenças que atingem grupos com maior poder de reivindicação, como a população urbana. Os recursos foram transferidos para dengue, zika e chikungunya. A malária perdeu recursos financeiros e recursos humanos", resume Tauil.

 

A retomada de crescimento da doença por dois anos consecutivos ocorre pouco tempo depois de o Brasil comemorar o avanço no combate à malária. "Em 2016, chegamos a alcançar 128 mil infecções, o menor número da história", diz Maierovitch. Na época, avisos já haviam sido dados para autoridades não baixarem a guarda. "Esse é um problema comum. Quando a doença começa a cair, a atenção se dispersa."

 

Municípios

 

Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto atribuiu o aumento de casos nos últimos dois anos a falhas na prevenção que deveria ser feita por municípios. Assim como Tauil, ele disse que algumas cidades acabaram priorizando o combate ao Aedes aegypti, deixando em segundo plano as medidas de contenção da doença, transmitida pela picada do mosquito Anopheles infectado. Okumoto observa que o avanço foi mais expressivo em 35 cidades da Amazônia Legal. "Juntas, elas respondem por 80% dos casos atuais." O secretário ainda afastou qualquer relação do aumento com a imigração de pessoas procedentes da Venezuela.

 

Com a retomada do avanço, fica ainda mais distante a meta de se eliminar a transmissão de uma das formas da doença, provocada pelo protozoário Plasmodium falciparum. Integrantes do comitê julgam essencial controlar a malária no País o quanto antes, sobretudo diante da ameaça de que o medicamento usado para tratar a doença se torne pouco eficaz. Na Ásia, o plasmódio já desenvolveu resistência ao medicamento.

 

"O que desejávamos era evitar que isso ocorresse, eliminar a transmissão no Brasil antes da chegada do protozoário resistente." Okumoto reforça a preocupação. "Por enquanto, a medicação tem sido eficaz. Mas o ideal é reduzir ao máximo o número de casos."

 

Uma das providências para evitar a expansão da doença é o uso de mosquiteiros impregnados por inseticidas. A medida começou a ser usada no País em 2011. Em um projeto piloto, 1,1 milhão de peças foram distribuídas em municípios prioritários. Posteriormente, nenhuma outra compra centralizada foi realizada. Okamoto afirmou que recursos foram repassados para que Estados e municípios fizessem a operação.

 

Outra recomendação é reforçar o diagnóstico rápido e o tratamento precoce. "Isso evita o ciclo. Se há poucas pessoas doentes, menor o risco de o mosquito se contaminar e, com picadas, transmitir a doença", afirma o secretário. (Com Jornal O Estado de S. Paulo)

 

 

 

Hashtag: |