Paraná

Paraná apoia empreendedorismo no feminino

Paraná apoia empreendedorismo no feminino

O Governo do Estado, na pessoa do seu governador, Carlos Massa Ratinho, anunciou que irá incentivar o empreendorismo feminista. A intenção de fortalecer as linhas de crédito para os negócios gerenciados por mulheres foi anunciado em Curitiba, durante o encontro do MEX Brasil, espaço que reúne diversas mulheres da área executiva.


A intenção deste governo é apoiar o empreendedorismo por parte das mulheres, estimulando a abertura de novos negócios, que possam garantir o seu sustento e gerar emprego. O governador acredita que este empreendedorismo feminino poderá ser muito importante para melhorar a economia do Paraná e que, destas novas medidas, surgirão várias empresárias de sucesso no estado.
No encontro onde a intenção de apoiar, desta forma, o empreendedorismo feminino foi revelado, estavam presentes mais de 100 profissionais. Estas executivas eram, principalmente, gerentes, presidentes e diretoras de empresas e organizações diversas. No encontro estava ainda presente Luciana Saito Massa, a primeira-dama.


O rescaldo deste encontro resultou numa análise positiva, sendo encarado com esperança que estes novos apoios ao empreendedorismo feminino resultem em verdadeiras oportunidades negociais que permitam às mulheres conquistar um lugar entre os principais empresários do Paraná.

 

Numa época em que a luta feminista tem voltado a marcar presença no fórum público, pelas piores razões; esta é uma notícia positiva para as mulheres do Paraná. Trata-se, pois, de uma forma de equilibrar o mercado, permitindo a ascenção feminina a cargos de maior visibilidade e responsabilidade.

 

Empreendedorismo no Brasil de 2019

 

Mas não é apenas no feminino que se fala de empreendedorismo no Brasil de 2019. Segundo os dados públicos resultantes do Empresômetro, só no passado mês de Fevereiro, abriram neste país mais de 250 empresas. Entre lojas de varejo, salões de beleza, agências de promoção de vendas e comércio de roupas, estas empresas integraram o cenário negocial brasileiro, focadas nesta dinâmica empreendedora.


São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os três espaços onde existe um maior volume de negócios, sendo locais onde existe uma grande densidade populacional, que impacta diretamente na forma como as pessoas gerem as suas vidas e se relacionam com o trabalho.


As questões relacionadas com fatores emocionais podem estar na origem das escolhas destas pessoas no que diz respeito ao setor de investimento, sendo que é natural que as pessoas procurem as atividades com as quais mais contactam e se relacionam, principalmente em fases como a atual, quando se vive um clima de crise ao nível econômico e laboral.


Evidentemente, a distribuição do tipo de negócio tem, também, alguma relação com a localização. Por exemplo, nas regiões do Ceará ou do Rio Grande do Sul, prolifera o comércio de roupas, enquanto que o Paraná investe na construção em alvenaria e o norte brasileiro se dedica à restauração ou aos transportes com aquaviários.


Cada região parece dedicar-se, portanto, às atividades que melhor definem as suas particularidades e integram os seus costumes regionais.

 


O empreendedorismo no meio digital

 

As lojas físicas são apenas uma parte da expressão do empreendedorismo no Brasil. Muitas outras formas de empreender se têm feito sentir, nos últimos anos, sendo que a Internet e os espaços de e-commerce são um caso muito particular e que merece uma referência exclusiva.


Com a dinâmica digital que, neste momento, rege o mundo, a tendência tem sido para que os consumidores comecem, cada vez mais, a comprar no meio online.


A resposta a esta procura foi o aparecimento de diversas lojas online e da criação de conceitos de e-commerce, onde as questões de marketing são um ponto fundamental.


Com uma concorrência cada vez mais intensa e lógicas de mercado muito próprias, os empreendedores do mundo digital têm, frequentemente, procurado aliados para a gestão logística, seguindo modelos como o Dropshipping, que reduzem as suas preocupações quanto à logística da loja (incluindo embalamento e entregas), preferindo ocupar o tempo com as questões 2relacionadas com a edificação da marca, o marketing digital e a criação e fidelização de públicos.


Esta forma de empreendedorismo preenche a Internet e tem uma expressão muito particular na mídia digital. Hoje em dia, ao usarmos o Instagram, o Facebook ou o Snapchat, é visível o papel destas empresas e a forma como, diariamente, estas tentam conquistar clientes, recorrendo aos mais diversos meios de promoção e de divulgação.


A aposta no Dropshipping e na delegação da gestão logística faz, pois, parte de uma nova forma de fazer negócio, que permite a adoção de estratégias mais específicas e o planeamento mais concreto dos passos a dar para a obtenção do desejado sucesso.


Hoje, o Brasil empreendedor rende-se, também, aos meandros da Internet e é no meio digital que muitos brasileiros têm tentado construir e gerir os seus negócios.


Independentemente do género, do local e da forma escolhida, no entanto, é seguro afirmar que o Brasil é um país cada vez mais empreendedor.