Paraná

Caso Tatiane Spitzner: MP-PR pede que acusado seja mandado a júri popular

Caso Tatiane Spitzner: MP-PR pede que acusado seja mandado a júri popular

O MP-PR (Ministério Público do Paraná) pediu, em alegações finais, que Luis Felipe Manvailer seja submetido a júri popular. O educador físico é acusado pela morte da advogada Tatiane Spitzner. O caso aconteceu em Guarapuava, na região central do estado, em julho do ano passado.

 

Os promotores ainda pedem a manutenção da prisão preventiva do réu. Interrogado no mês passado, ao final da instrução processual, Manvailer negou o crime. Ele fez um breve pronunciamento alegando inocência, mas optou por ficar em silêncio no restante do interrogatório.

 

Conforme a denúncia, Luis Felipe Manvailer responde pelos crimes de feminicídio, por ter matado a então companheira; cárcere privado, por ter impedido que ela deixasse o apartamento durante as agressões; e fraude processual, por alterações na cena do crime.

 

O CRIME


Imagens de câmeras de monitoramento do prédio onde Manvailer e Tatiane moravam registraram o momento em que o ex-casal retorna para casa depois de uma festa de aniversário. As imagens mostram o momento em que o acusado agride a então companheira na garagem e depois força ela a subir até o apartamento deles, no quarto andar.

 

Minutos depois, as câmaras externas flagram o educador físico deixando o prédio de carro. Antes disso ele troca de roupa e tenta limpar as marcas de sangue do elevador. A advogada foi encontrada morta depois de cair do quarto andar. A acusação aponta Manvailer como responsável pelo homicídio. A defesa sustenta que Tatiane morreu depois de cair da sacada.

 

Manvailer foi preso no dia 22 de julho de 2018, poucas horas após o crime. Ele foi detido em São Miguel do Iguaçu, depois de se envolver em um acidente na BR 277, enquanto supostamente tentava fugir para o Paraguai. (Com Massa News)