Dicas de saúde, turismo, lazer e muito mais...

Diminuição no consumo mundial de sal salvaria milhões de vidas, aponta estudo


Publicado por: - 11/01/2017

Diminuir em 10% o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, afirma um estudo publicado nesta quarta dia 11, pela revista médica britânica The British Medical Journal.

 

O sal aumenta os riscos de hipertensão e de doenças cardiovasculares.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria dos adultos consome mais do que a quantidade recomendada de 2 gramas de sal por dia, no máximo. O excesso de sal, presente principalmente em alimentos industrializados, está na origem de cerca de 1,65 milhão de mortes provocadas por doenças cardíacas em todo o mundo, de acordo com a OMS.

 

Apesar de poucos países até agora terem adotado políticas públicas para tentar diminuir o consumo de sal, pesquisadores, atuando conjuntamente com a indústria alimentícia, avaliaram o impacto de estratégias públicas de prevenção em 183 países. E concluíram que investir o equivalente a apenas 10 centavos de dólar por pessoa (cerca de R$ 0,32), contribuiria grandemente para frear a mortalidade.

 

 

Resultado impressionante

 

Os cientistas também estimaram, baseados no índice de Esperança de Vida Corrigida, o número de anos perdidos pela população mundial por conta do excesso de sal. Segundo o estudo, uma alimentação menos salgada durante um período 10 anos evitaria uma perda anual equivalente a 5,8 milhões de anos de boa saúde.

 

O custo dos anos ganhos seria equivalente ao que se gasta atualmente em remédios para tratamento de doenças cardiovasculares, apontam os pesquisadores. (Com Agência Brasil)

 

 

 

41450
com_k2.item
(0 estrelas, média 0 de 5)
Diminuição no consumo mundial de sal salvaria milhões de vidas, aponta estudo0 out of 50 based on 0 voters.


Confira outras matérias publicadas em Fique Por Dentro
Mais sobre

Veja também:

  • Estudo aponta que déficit de atenção é transtorno cerebral

    As pessoas com Transtorno por Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) têm o cérebro levemente menor, segundo um estudo divulgado nesta quinta dia 16, que reitera que se trata de uma alteração física, e não apenas de uma má conduta.

     

    Este estudo, o maior até agora dedicado ao cérebro das pessoas com esta síndrome, encontrou "diferenças estruturais" e evidências de atraso no desenvolvimento, segundo os pesquisadores.

  • Estudo indica que uso de esteroides altera nível de hormônio da tireoide

    Estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) comprova que o tratamento com o esteroide anabolizante (EAA) altera os hormônios da tireoide e o metabolismo da glicose, como resistência insulínica e alterações nas vias de produção de glicose no jejum. 

     

    Informações obtidas pela Agência Brasil revelam que os dois estudos demonstram que a utilização crônica de EAA pode levar a alterações dos hormônios do organismo que acarretam modificações importantes nas taxas de glicemia, colesterol e triglicerídeos, impactando negativamente na saúde dos indivíduos que fazem uso dessas substâncias. 

  • Quem enrola para sair da cama de manhã é mais inteligente, diz estudo

    Segunda-feira às 6h toca o despertador e você nem hesita em apertar o botão de soneca, para mais dez minutos de sono.

     

    O problema é que é fácil repetir a operação, duas, três vezes... Sinal de preguiça?

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.