Últimas notícias de Foz do Jordão

Foz do Jordão - Ministério Público pede bloqueio de R$ 2,4 milhões de Anselmo Amâncio e Anildo Alves


Publicado por: - 07/07/2016

O Ministério Público (MP-PR), através da Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público da Comarca de Guarapuava, pediu o bloqueio judicial de R$ 2,4 milhões do ex prefeito e do ex secretário de Administração de Foz do Jordão, Anildo Aves da Silva e Anselmo Albino Amâncio, respectivamente.

 

Outras oito pessoas estão envolvidas no processo. O pedido, que está tramitando na 2ª Vara da Fazenda Pública de Guarapuava e aguarda decisão judicial, está baseado em supostas irregularidades cometidas por Anselmo e Anildo, em parceria com os demais envolvidos, na Prefeitura de Foz do Jordão a partir de 2005.

 

A ação civil pública, proposta pelo Ministério Público do Estado do Paraná, através do Inquérito Civil nº 0059.04.000041-2, aponta que a partir do ano de 2005 houve a prática de improbidade administrativa pelos réus, que causou enriquecimento ilícito e prejuízo ao erário do Município de Foz do Jordão, além da violação de princípios constitucionais norteadores da Administração Pública.

 

De acordo com a ação, as irregularidades consistiram na realização de empréstimos financeiros (empréstimos consignados) realizados pelos réus, cujos valores foram revertidos para as contas bancárias de Anselmo Albino Amâncio e mais um denunciado. Em contrapartida, como forma de compensação pelos descontos ocorridos nos vencimentos dos tomadores dos empréstimos, mediante desconto em folha de pagamento, houve a concessão de gratificações pelo réu Anildo Alves da Silva (prefeito à época dos fatos) aos respectivos servidores, todos detentores de cargo de provimento em comissão. Em janeiro de 2005 o réu Anildo Alves da Silva ocupou o cargo de prefeito Municipal de Foz do Jordão e nomeou já em 01/01/2005 o réu Anselmo Albino Amâncio para o cargo de secretário de Administração.

 

 

Ainda segundo o processo, o esquema de desvio e apropriação do dinheiro público consistia nos seguintes passos:

 

1) o servidor público municipal cooptado contraía um empréstimo para desconto em folha de pagamento;

 

2) o valor do empréstimo era repassado para contas particulares de Anselmo Albino Amâncio e de outro denunciado;

 

3) o requerido Anildo Alves da Silva concedia gratificação indevida de valor mensal semelhante aos valores da parcela do mútuo ao servidor endividado, de forma que a dívida era quitada pelo Município; que em alguns casos, o valor da gratificação concedida superou o montante da parcela mensal, identificando-se também o enriquecimento ilícito do tomador de empréstimo.

 

O Ministério Público requereu a decretação da indisponibilidade de bens dos réus no valor do enriquecimento ilícito (R$ 2.453.427,56). A medida é preventiva, para que não ocorra a dilapidação do patrimônio dos envolvidos durante o trâmite do processo. (Com Rede Sul)

 

 

 

35672
com_k2.item
(2 estrelas, média 5.00 de 5)
Foz do Jordão - Ministério Público pede bloqueio de R$ 2,4 milhões de Anselmo Amâncio e Anildo Alves5.00 out of 50 based on 2 voters.


Confira outras matérias publicadas em Foz do Jordão

Veja também:

  • Foz do Jordão - Morador de Candói é encontrado morto embaixo de ponte

    Na tarde desta sexta dia 24, a Polícia Militar de Mangueirinha, recebeu uma ligação, informando sob um suposto que estaria embaixo da ponte Rio Lageado Grande na fronteira com Foz do Jordão.

     

    Juntamente com a Polícia Civil, a equipe da PM foram ao local e confirmaram o fato, existindo ainda marcas de sangue em cima da ponte.

  • Foz do Jordão - No mês da mulher, governo municipal lança a campanha "Março Lilás"

    A Administração Municipal através da Secretaria de Saúde de Foz do Jordão está promovendo neste mês de Março em homenagem ao dia da Mulher, um mês todo especial a elas.

     

    Foi lançado estamos a campanha municipal MARÇO LILÁS, com o slogan “ MULHER, CUIDAR DE SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR A VIDA”.

  • Rio Bonito - MST e madeireira selam acordo para convivência pacífica

    O acordo foi selado por intermédio da 1ª Promotoria de Justiça de Laranjeiras do Sul, representantes das famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e proprietários e funcionários da madeireira Araupel.

     

    O acordo é para convivência pacífica no município de Rio Bonito do Iguaçu. Atualmente, o MST ocupa a Fazenda Pinhal Ralo, pertencente à empresa.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.