Últimas notícias no Brasil e no Mundo

Técnico de laboratório cobrou R$ 600 para aborto


Publicado por: - 10/01/2017

Esta não é a primeira vez que o nome do técnico de laboratório Dnilson Rodrigues Nunes, 40 anos, é apontado em crime de aborto.

 

Em 2010, ele interrompeu gestação de seis meses, de jovem, de 20 anos, que apesar de ter tido intenso sangramento e sido internada em hospital, sobreviveu.

 

Mesma sorte não teve Aline dos Reis Franco, de 26 anos, que morreu após receber medicamento injetado na veia. Ela estava grávida de dois meses e Dnilson foi apontado por amiga dela de ter provocado o aborto. O caso aconteceu no início do mês passado, em Porto Murtinho.

 

Além de já ter histórico como autor em outro caso de aborto, segundo a polícia, o técnico que é servidor do hospital público da cidade cobrou R$ 600 por medicamento Cytotec – indicado para tratamento e prevenção de úlcera do estômago, mas também usado como abortivo e que teria sido ministrado em Aline.

 

Dnilson apresentou-se ontem à polícia para ser dado cumprimento à ordem de prisão preventiva e, em depoimento, negou participação no crime, segundo o delegado responsável pelo inquérito Rodrigo Nunes Zanotta. “Negou, mas temos fortes indícios do envolvimento dele que também foi apontado por amiga da jovem que acompanhou o aborto”, citou a autoridade policial.

 

De acordo com Zanotta, essa amiga, que recebeu Aline na casa onde mora, na cidade murtinhense, para que ela forçasse a morte do filho, também será indiciada por aborto praticado por terceiros, com agravante pela morte da gestante. Porém, a mulher aguarda decisão da Justiça em liberdade. “Não representei pela prisão porque não houve necessidade. Ela colaborou na investigação”, disse o delegado.

 

O depoimento dessa amiga, que além de ser apontada como autora é a principal testemunha, está sob sigilo. O delegado limitou-se a dizer que no dia dos fatos, o técnico foi até a casa dela, injetou medicamento em Aline que convulsionou, bateu a cabeça no chão e logo morreu. A mulher não tem certeza de que o medicamento ministrado foi Cytotec e a seringa utilizada não foi encontrada, conforme Zanotta.

 

 

Caso

 

No dia 8 de dezembro do ano passado, o velório de Aline, que morava na Capital, foi interrompido por policiais e o corpo encaminhado para exame com objetivo de atestar a causa da morte. A suspeita era de que a jovem pudesse ter morrido em decorrência de aborto clandestino.

 

Helemary Fátima dos Reis, 52 anos, que mora em Água Clara, não sabia da gestação de dois meses da filha e ficou sabendo do episódio por amiga. No dia 5 de dezembro, em viagem a Porto Murtinho, Aline disse para a mãe que levaria algumas roupas para parentes, mas, no dia seguinte passou mal e morreu.

 

Aline deixou casal de filhos órfão. Ela tinha menina de 11 anos e menino de seis anos. O inquérito deve ser concluído em até 10 dias, mas laudo que comprova a causa da morte da jovem ainda não foi entregue à autoridade policial. (Com Correio do Estado)

 

 

 

41410
com_k2.item
(0 estrelas, média 0 de 5)
Técnico de laboratório cobrou R$ 600 para aborto0 out of 50 based on 0 voters.


Confira outras matérias publicadas em Notícias no Brasil e no Mundo

Veja também:

  • Guaraniaçu - Jovem de 18 anos se suicida no Jardim Planalto. Assista a reportagem

    A Polícia Civil recebeu a informação, na noite desta quinta dia 16, de um suposto cadáver que havia sido encontrado próximo a um viaduto no Jardim Planalto em Guaraniaçu.

     

    Em conjunto com a Defesa Civil da cidade os policias foram até o local e constataram a veracidade da informação.

  • Professora morre após cirurgia estética e família denuncia médico

    A família de Edite de Souza Nascimento, de 35 anos, professora que morreu após passar por uma cirurgia estética em um hospital particular do Recife, denuncia uma suposta negligência médica.

     

    Segundo os parentes, o cirurgião plástico João Ricardo Dias informou que durante o procedimento a mulher teve uma queda de pressão, e horas depois uma parada cardíaca.

  • Pistoleiros se passam por policiais e executam jovem que jogava vôlei

    Cristian Ortis Sanches, de 22 anos, foi assassinado a tiros enquanto jogava vôlei.

     

    Assassinato aconteceu por volta das 18h30 de ontem, em um campo esportivo localizado na Rua Rosa Azul, Bairro Jardim das Rosas, em Ponta Porã (MS).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.